Outubro registra menor número de homicídios dos últimos 21 anos no DF

Outubro de 2009 foi o que apresentou maior taxa na amostra, com 74 vidas perdidas

atualizado 04/11/2020 11:40

Hugo Barreto/Metrópoles

Balanço da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP-DF) aponta queda em relação aos crimes letais e intencionais: homicídio, latrocínio e lesão corporal seguida de morte. Segundo dados obtidos pelo Metrópoles, as estatísticas de outubro correspondem ao menor número de vítimas, no mesmo mês, em 21 anos.

Em 2019, 42 pessoas foram vítimas desses crimes no mês de outubro. Neste ano, o dado referente ao mesmo período caiu para 36. O acumulado de crimes letais nos 10 meses de 2020, em comparação com o mesmo período do ano passado, também revela decréscimo: 7%. Outubro de 2009 foi o que apresentou maior taxa na amostra, com 74 vidas perdidas.

“Sabíamos que o desafio neste ano seria grande, pois fechamos 2019 com maior número de vidas poupadas nos últimos 35 anos. Dessa forma, traçamos estratégias para que conseguíssemos continuar com a redução mensal dos índices criminais. Com a pandemia, tivemos de adaptar as nossas ações para conseguir atingir a meta”, detalha o secretário de Segurança Pública, delegado Anderson Torres.

Anderson acrescenta que ações coordenadas com as forças de segurança, investimento em tecnologia e uso de inteligência policial têm sido primordiais para a redução dos índices. “Iniciamos operações, investimos em videomonitoramento e, com apoio incansável e determinante das forças de segurança, estamos fechando mais um mês com reduções expressiva”, ressaltou.

Crimes de tráfico de drogas e posse ou porte de arma de fogo tiveram aumento em 2020, se comparado a janeiro a outubro do ano passado. Saltaram de 2.308, para 2.744, e de 803 para 1.012, respectivamente.

Feminicídio

O estudo aponta também que não houve nenhum feminicídio na capital federal em outubro, sendo o terceiro mês deste ano a não registrar essa tipificação criminal, que também não ocorreu em fevereiro e maio. No acumulado dos 10 meses deste ano, houve redução de 51,8% nos feminicídios em relação ao mesmo período do ano passado, ou seja, caiu de 27 para 13 casos este ano.

Crimes contra o patrimônio

Os crimes contra o patrimônio – roubos a pedestre, veículos, transporte coletivo, comércio, residência e furto em veículo – apresentaram redução de 48,3%, em outubro deste ano, em comparação com o ano passado.

O maior decréscimo apresentado em setembro deste ano, em comparação com o mesmo mês de 2019, refere-se ao furto em veículo, que chegou a 53,7%. Na sequência, aparece roubo de veículo (50,5%), roubo em transporte coletivo (50%), roubo em comércio (47,2%) e roubo a transeunte, com 45,9% de queda. Em outubro deste ano, foram registrados 30 roubos em residência a menos do que o mesmo mês do ano passado. Em 2020, foram 25 crimes e, em 2019, 55.

A instalação de câmeras de videomonitoramento contribuem para o trabalho dos policiais. Atualmente, há 928 equipamentos fixos e móveis instalados em regiões administrativas do DF, transmitindo imagens, em tempo real, para o Centro Integrado de Operações de Brasília (Ciob).

Para o comandante-geral da Polícia Militar do DF (PMDF), coronel Julian Pontes, os dados de outubro seguem a tendência de 2020. “Esses índices refletem um esforço da PMDF em levar segurança, tranquilidade e ordem para a população do Distrito Federal. Estamos, diuturnamente, aprimorando nossos processos e procedimentos, tanto os internos quanto os operacionais. Nossas ações estão baseadas em três premissas: análise criminal, emprego da inteligência policial e policiamento de proximidade com foco na resolução de problemas. Com orgulho, afirmamos que a Polícia Militar é muito mais do que segurança”, destacou.

A Polícia Civil (PCDF) intensificou o combate ao tráfico de drogas, o que contribui diretamente para redução dos crimes patrimoniais, como afirma o diretor-geral da corporação, Robson Cândido.

“Realizamos grandes apreensões — mais de 6 toneladas de maconha e 6 mil comprimidos de ectasy —, gerando impacto nos crimes de roubo, furto e latrocínio. Isso ocorre, pois, quando se tem menos drogas em circulação, os usuários também estão menos propensos ao crime. Em outra frente, direcionamos boa parte do efetivo na investigação desses crimes. Sem dúvida, com essas diretrizes, conseguimos entregar resultados expressivos à sociedade”, disse Cândido.

Últimas notícias