OAB-DF oferece ajuda a pais de ex-aluno do Sigma que morreu com choque

Em nota, entidade afirmou que acompanha as investigações para definir procedimentos que serão adotados

atualizado 14/08/2020 11:25

Arquivo pessoal

A morte trágica de João Vitor Domat Remus, 13 anos, após receber uma descarga elétrica ao encostar em uma parte de metal de um carregador de celular que estava na tomada, causou uma dor imensurável à família do garoto. A fim de amenizar a situação, na medida do possível, a Ordem dos Advogados do Brasil, seccional do DF, colocou-se à disposição dos familiares para dar suporte jurídico.

Em nota enviada ao Metrópoles, a entidade manifestou condolências e o anseio por justiça. A família espera pela conclusão da perícia para entrar com ação civil pública. Confira o comunicado:

Lamentamos profundamente o ocorrido. Prestamos a nossa solidariedade desde o início orientando a família nesse momento de dor, e acompanharemos as investigações para avaliar quais procedimentos iremos adotar, sendo que ainda hoje, já estamos formatando uma campanha de alerta aos pais sobre os perigos desse tipo de acidente doméstico, em especial com a rede elétrica. Em breve, teremos outras informações de novos procedimentos que serão adotados“, Charles Bicca, Presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Criança, Adolescente e Juventude da OAB/DF.

0

Os pais de João entendem que houve omissão e negligência por parte dos órgãos fiscalizadores.

“Alguém foi omisso. Que seja o Inmetro, que seja a Receita Federal através dessa ‘lixaiada’ que está chegando no país. Porque, na nossa vida, eles mexem muito. Agora, num contêiner desse não mexem?”, esbraveja o fazendeiro, referindo-se ao modo como produtos chegam ao Brasil.

Para ele, os equipamentos do tipo que chegam às lojas deveriam ser periciados e certificados pelas entidades responsáveis, e afirma que lutará pela responsabilização das autoridades competentes. “Vou tomar providências. Vai ser uma bandeira para mim.”

Memória

O acidente fatal com João Vítor Domat Remus ocorreu em Palmas (TO), na semana passada. O jovem chegou a ficar internado por alguns dias, mas não resistiu.

O garoto morou em Brasília até o início da pandemia, onde estudou no Colégio Sigma e, depois, mudou de cidade acompanhando os pais para fugir da doença.

O enterro ocorreu na tarde de sábado (8/8), no Cemitério Campo da Esperança da Asa Sul.

Procurada, a instituição de ensino confirmou e lamentou a morte do ex-aluno. “É com muita dor que a comunidade escolar do Colégio Sigma manifesta o seu profundo pesar pelo falecimento do ex-aluno João Vitor Domat Remus na última semana ao sofrer um acidente em sua casa em Palmas, no Tocantins”, diz a nota.

Segundo o colégio, todos os envolvidos nas atividades, “diretores, colaboradores, professores e colegas da escola se solidarizam com a família”, finaliza.

Últimas notícias