Os bastidores da cobertura policial de um jeito que você nunca viu

A pedido do MPDFT, PCDF prende vereador no Maranhão por fraude

Pedido de detenção foi feito pelo MPDFT. Somente uma empresa teve prejuízo de R$ 1 milhão

atualizado 07/04/2022 20:38

ISTOCK

Um vereador da cidade de Davinópolis, no Maranhão, foi preso nesta quinta-feira (7/4) em um desdobramento da Operação Testa de Ferro, que desarticulou organização criminosa que causou prejuízo de R$ 4 milhões a uma instituição financeira. Ele é suspeito de ter ligações com um casal de Goiânia (GO) detido ainda em março.

O pedido foi feito pelo Núcleo Especial de Combate aos Crimes Cibernéticos (Ncyber) do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) e cumprido por agentes da Delegacia Especial de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC) da Polícia Civil do DF (PCDF) com apoio da Polícia Civil do Maranhão.

Segundo as investigações, o vereador seria um dos responsáveis por indicar pessoas dispostas a cederem suas contas bancárias para o depósito e saque dos valores obtidos por meio da fraude.

O grupo criminoso atua há mais de uma década, principalmente no Centro Oeste e no Pará. Uma das vítimas, uma empresa de calçados, chegou a perder mais de R$ 1,4 milhão. A Polícia estima que as fraudes praticadas pela quadrilha possam ter alçado mais de R$ 300 milhões.

As apurações começaram em 2019, quando a PCDF prendeu pessoas que realizavam saques, transferências e conversão de moeda nacional em dólar em uma agência bancária. Foi descoberto que elas eram a base da pirâmide da organização e emprestavam suas contas para serem beneficiadas com o dinheiro do furto. Em um segundo patamar, havia os recrutadores de conta bancária e, acima deles, os gerentes de operações.

Seguindo o rastro do dinheiro, o MPDFT e a PCDF chegaram aos suspeitos de liderar a organização. Em 2015, eles já haviam sido alvos da PCDF na operação Safira, que apurou fraudes contra correntistas de um banco, com prejuízo de mais de R$ 40 milhões. Apesar de estarem em liberdade, continuavam aplicando golpes.

A dupla tem antecedentes criminais por duplo homicídio, estelionato, organização criminosa, furto mediante fraude, lavagem de dinheiro e posse de drogas.

Mais lidas
Últimas notícias