“Muito responsável”, diz gerente de loja onde Noélia trabalhava

Corpo da vendedora foi encontrado com um tiro no rosto no Assentamento 26 de Setembro, em Vicente Pires

Reprodução/Redes sociaisReprodução/Redes sociais

atualizado 18/10/2019 22:14

O brutal assassinato de Noélia Rodrigues de Oliveira, 38 anos, chocou os colegas da loja de roupas femininas onde ela trabalhava há dois anos como vendedora, no Brasília Shopping, na Asa Norte. A mulher foi executada com um tiro no rosto e o corpo dela foi encontrado no Assentamento 26 de Setembro, na região de Vicente Pires, nesta sexta-feira (18/10/2019).

Gerente do estabelecimento, Mozana Alves Carvalho descreve a vítima como uma excelente funcionária e uma pessoa bastante responsável. “Ela entrava à tarde e ficava até fechar. Costumava atravessar o Setor Hoteleiro Norte e pegar o ônibus na parada da Torre de TV. Naquele dia, ela não embarcou no coletivo”, conta.

Mozana diz ter conversando com gente que costumava pegar o mesmo ônibus que Noélia, entre elas, vários trabalhadores do centro comercial. “Ninguém a viu embarcando naquele dia. Achamos que ela entrou num carro e estava sozinha. Queremos saber o que aconteceu e que descubram logo quem fez isso”.

A gerente também conta que nem ela e nem as outras funcionárias ouviram qualquer queixa de Noélia sobre perseguição ou ameaças. A vítima chegou a ser assaltada uma vez, mas no caminho de casa para a parada, no Setor P Norte, em Ceilândia, onde morava com o marido e três filhos.

No dia seguinte ao desaparecimento, o marido da vítima esteve na loja,  em busca das imagens de segurança do shopping.  O único registro que ele conseguiu ter acesso mostra a mulher saindo sozinha do estabelecimento.

O horário e o local do velório ainda não foram definidos.  A família pretende esperar que os pais de Noélia venham do interior do Ceará para Brasília a fim de participarem da cerimônia de despedida.

Feminicídio

Segundo informações da chefe da 38ª Delegacia de Polícia (Vicente Pires), Adriana Romana, que investiga o caso, a princípio, a ocorrência será tratada como feminicídio.

“Trata-se de uma mulher e, como foi morte violenta, temos o protocolo na Polícia Civil de tratar primeiramente como feminicídio. Se depois, por exemplo, concluirmos ter sido latrocínio, mudamos a tipificação”, explicou. Romana ainda destacou que os exames preliminares não indicam que a vítima tenha sido estuprada.

Conforme os parentes divulgaram nas redes sociais, Noélia foi vista pela última vez por volta das 22h dessa quinta-feira (17/10/2019), após sair do trabalho em direção a uma parada de ônibus.

Segundo o companheiro da vítima, ela sempre encerrava o expediente por volta das 22h e chegava em casa, no Setor P Norte, em Ceilândia, às 23h. “Eu sempre a encontrava na parada. Ontem, cheguei 15 minutos antes e fiquei aguardando. Com a demora, comecei a me preocupar e fui atrás”, relatou.

Imagens

Nesta sexta (18/10/2019), Marcos teve acesso a imagens de câmeras do shopping que, de acordo com ele, mostram a mulher saindo em direção ao Setor Hoteleiro Norte, às 22h03. “Ela está no telefone, porque eu tinha ligado para saber se estava saindo. Ela falou: ‘Amor, já estou indo, porque senão eu perco o ônibus’. Depois, às 22h23, liguei de novo, e ela não atendia mais”, narrou.

Ainda segundo Marcos, a família não sabe como a mulher foi encontrada em Vicente Pires, uma vez que todos os dias fazia o mesmo trajeto para casa. “Ela até tentava sair mais cedo e corria para pegar o ônibus. Eu sempre a orientava a não pegar carona e sempre buscava na parada. Agora, não sabemos se ela pegou algum carro pirata ou entrou em lotação”, contou o marido.

Últimas notícias