Motorista que estava desaparecido é encontrado em invasão do DF

Felipe Pereira Lima de Melo, 35 anos, estava descalço e com as roupas sujas. Ele será ouvido na 5ª DP

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 23/01/2019 21:50

Investigadores da 5ª Delegacia de Polícia (Área Central) localizaram, na tarde desta quarta-feira (23/1), o motorista de aplicativo Felipe Pereira Lima de Melo, 35 anos, que estava desaparecido desde a noite de sábado (19). Os policiais o encontraram numa invasão situada em um terreno baldio, nos fundos da Quadra 910 Norte. O carro dele estava estacionado próximo à Casa do Ceará, na mesma quadra.

Felipe estava descalço e com as roupas sujas. O local é conhecido por ser ponto de consumo de crack. Os investigadores tinham pistas de seu paradeiro e sabiam que ele estaria circulando pela área central de Brasília.

Apesar de desaparecido, o cartão de crédito e débito do motorista estava sendo usado por ele nos comércios e caixas eletrônicos da região. Além disso, as barreiras eletrônicas de trânsito instaladas na área central haviam registrado, por diversas vezes, o veículo de Felipe circulando pelas vias. Ele foi levado para a 5ª DP para ser ouvido sobre os motivos do sumiço.

Na unidade policial, ele ficou alterado ao ver câmeras da imprensa apontadas para ele. Ao sair da DP, pediu aos policiais para impedir o trabalho dos jornalistas e, como não foi atendido, tirou os sapatos e começou a ameaçar cinegrafistas e fotógrafos.

Em um ataque de fúria, arremessou os calçados contra uma equipe da Rede Record, mas errou o alvo e acabou atingindo o carro de uma agente, estacionado na porta da 5ª Delegacia de Polícia.

Após ameaçar os jornalistas e danificar o carro da policial, Felipe foi novamente conduzido à presença do delegado e liberado minutos depois. “Quer filmar? Filma isso aqui”, disse, na saída, mostrando as nádegas.

Assista:

À espera dele na delegacia estava a esposa, Rinayara, que soube da localização do marido no momento em que tirava a segunda via da ocorrência na delegacia. “Passa tudo na cabeça da gente. Cheguei a pensar que ele havia morrido e estava até preparando nosso filho para dar a notícia, caso se confirmasse. Graças a Deus acharam ele vivo. Quero agradecer a todos que oraram por ele”, disse a esposa.

Esposa estava em desespero 
Ao Metrópoles, nessa terça (22), a esposa de Felipe, Rinayara Freire de Almeida, 35 anos, demonstrava desespero com a falta de notícias do marido. A família, inclusive, empenhou uma força-tarefa para encontrá-lo.

De acordo com Rinayara, quando o marido sai para pegar passageiros, ele tem o costume de mandar a localização de onde está para deixá-la despreocupada. A última vez que ele fez isso foi 21h40 de sábado, quando esteve no Setor Bancário Norte (SBN). Felipe disse que trabalharia mais um pouco antes de voltar para casa, no Guará. “Ele nunca me preocupou antes”, conta.

No domingo (20), sem notícias do marido por horas, a docente ligou e encaminhou mensagens via WhatsApp. A última visualização ocorreu às 7h. Desde então, o celular permanece desligado.

Últimas notícias