metropoles.com

Crise hídrica no DF era uma situação inimaginável em março de 2016

Na ocasião, Barragem do Descoberto estava completamente cheia. Companhia culpa seca e aumento no consumo para mudança repentina

atualizado

Compartilhar notícia

Tony Winston/Agência Brasília
Barragem do Descoberto (capacidade máxima)
1 de 1 Barragem do Descoberto (capacidade máxima) - Foto: Tony Winston/Agência Brasília

Se alguém cogitasse, em março do ano passado, a possibilidade de o Distrito Federal passar uma crise hídrica ninguém acreditaria. Há 11 meses, o nível da Barragem do Descoberto, responsável pelo abastecimento de 60% da população da capital do país, marcava 100% da capacidade e representantes da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) garantiam que Brasília não teria problemas de falta d’água.

Entretanto, a situação confortável não foi suficiente e, meses depois, o baixo nível dos dois principais reservatórios que abastecem o DF – Descoberto e Santa Maria – resultou em medidas drásticas, amargas, tanto para o bolso quanto para a rotina dos brasilienses. Desde o fim do ano passado, quem consome mais de 10 metros cúbicos de água por mês é sobretaxado em até 40% na conta da Caesb. No começo de 2017, passou a valer o racionamento, uma situação totalmente atípica para os moradores da capital.

Para a Caesb, a mudança repentina no quadro é motivada, principalmente, pelas condições climáticas e o aumento de consumo. “Há uma crise hídrica sem precedentes na história do DF causada por um período prolongado de seca e um aumento considerável no consumo, em função do calor e baixa umidade”, informou a companhia, por meio de nota.

Segundo a empresa, houve crescimento anual médio de 16% no uso per capita (por pessoa) de água nos últimos seis anos. O consumo na capital é maior que o ideal. A média, até julho de 2016, foi de 175,1 litros/habitante/dia. Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), essa marca não deveria ultrapassar 110 litros ao dia por pessoa.

De acordo com a Caesb, outros fatores, como o crescimento demográfico, a ocupação irregular de áreas próximas aos mananciais de abastecimento e o baixo investimento em obras de captação, também contribuíram para a situação crítica enfrentada pelo DF.

Tony Winston/Agência Brasília
Reservatório do Descoberto em março de 2016
Michael Melo/Metrópoles
Reservatório do Descoberto em novembro de 2016

 

Aposta única
O especialista em recursos hídricos e professor da Universidade de Brasília (UnB) Sérgio Koide, porém, acredita que as atuais dificuldades têm a ver com a falta de planejamento. “A escassez de água já era prevista há 12 anos. Na época, o governo decidiu apostar todas as fichas na captação em Corumbá. Mas o projeto, grandioso, demandou alto investimento e, devido a problemas diversos, não começou a funcionar até hoje”, explica o pesquisador.

Assim, segundo Koide, não foram feitos outros investimentos em captação, deixando o sistema de abastecimento a mercê das condições climáticas. “O Reservatório do Descoberto tem capacidade apenas anual. E, atualmente, o governo opera com a demanda muito próxima da oferta. Dessa maneira, qualquer variação nas chuvas pode afetar a população”, ressalta.

Em 2016, as chuvas cessaram antes do previsto, próximo do mês de março. Consequentemente, a demanda, principalmente no setor agrícola, também acabou adiantada, gerando impacto nos níveis dos reservatórios, aponta o especialista.

Para não depender das variações climáticas, a Caesb aposta na manutenção de bons hábitos da população e um empenho maior de governantes. “A redução da vazão de captação registrou queda de 14% em relação aos números apresentados em dezembro, mostrando que os moradores do DF têm consumido menos”. O órgão afirma também que está investindo em novas captações de água, como a do Bananal, que deverá ficar pronta em novembro deste ano, fornecendo cerca de 700 litros de água por segundo.

Prazo
Quanto ao prazo para o fim do racionamento, o professor Sergio Koide crê que as mudanças de hábito devem perdurar por um bom tempo. “Tudo dependerá de como os níveis dos reservatórios estarão com o fim das chuvas. Caso estejam abaixo de 60%, a atual medida deve continuar pelo menos até o fim do ano”. Ainda segundo o especialista, é provável que o sistema de corte de abastecimento chegue em breve aos usuários da Barragem de Santa Maria.

A Caesb também não estabelece um prazo definido para retornar à operação normal. “O racionamento irá perdurar pelo tempo necessário para restabelecer as condições de segurança hídrica do abastecimento pelos reservatórios de água. A autorização e a suspensão de todas as medidas restritivas são feitas pela Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento do Distrito Federal (Adasa)”, informou o órgão, por meio de nota. Na sexta-feira (10/2), os níveis dos reservatórios estavam em: 43,03% (Santa Maria) e 32,52% (Descoberto).

Dicas para economizar água

0

 

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comDistrito Federal

Você quer ficar por dentro das notícias do Distrito Federal e receber notificações em tempo real?