BR-020: vítima foi lançada de ônibus. Veículo estava irregular

Licença do coletivo estava vencida desde 2018. Motorista recebeu multa por transporte irregular de passageiros no sábado (16/2)

atualizado 18/02/2019 16:52

Reprodução

O ônibus que se envolveu em um grave acidente, nesse domingo (17/2), na BR-020 não tinha autorização para transportar passageiros. A informação é da Secretaria de Mobilidade. O veículo estava com a licença vencida desde 2018. Uma gari de 41 anos morreu e 18 colegas dela, que voltavam do plantão, ficaram feridos durante a capotagem perto da alça de acesso ao Morro da Capelinha.

“A licença está vencida desde outubro de 2018. Portanto, ele estava irregular e não poderia transportar passageiros. Será aplicada uma multa, mas, para o pagamento de possíveis indenizações, é preciso que as famílias entrem na Justiça”, informou o subsecretário de Fiscalização (Sufisa), Marrison Dantas.

A Polícia Militar informou ainda à reportagem que, um dia antes do acidente, no sábado (16), o motorista do ônibus havia sido multado por transporte irregular de passageiros na BR-020.

A família de Crisangela da Cruz Silva (foto em destaque) ainda tenta entender as circunstâncias que causaram a morte da funcionária da Sustentare, empresa contratada pelo Serviço de Limpeza Urbana (SLU). Ela perdeu a vida no acidente.

“Queremos saber por que a minha mãe morreu desse jeito. Das 23 pessoas, só ela foi. Todo mundo está bem, está em casa e a minha mãe vai ser enterrada. É muito complicada a situação”, desabafou a filha mais velha da terceirizada, Thallya Silva, 20. Nascida em Una (BA) e moradora de Planaltina (DF), Crisangela deixa outros três filhos: um de 17 anos, outro de 16 e o caçula, de 13.

Raimundo Eustáquio dos Santos, 41, marido da vítima, também é gari e estava no ônibus que capotou. Com ferimentos leves, ele chegou a conversar com a mulher e tentou retirá-la das ferragens que prendiam as duas pernas da companheira. Testemunhas contam que Crisangela foi arremessada para fora do veículo e, durante a capotagem, o coletivo acabou esmagando as pernas dela.

Quando o ônibus estava capotando, o Raimundo tentou pegar na mão da minha mãe, mas não conseguiu. Quando ele foi para fora, viu que o ônibus estava em cima das pernas dela. Ela estava tranquila e reclamou de dor no olho. Disse que tinha algo incomodando. Os populares pegaram um macaco e conseguiram tirá-la

Thallya Silva, 20 anos

Ouça os relatos da jovem ao Metrópoles:

A vítima chegou a ser submetida a uma cirurgia no Hospital Regional de Planaltina, mas não resistiu. Acabou falecendo durante o procedimento. Os familiares ainda não marcaram o horário do sepultamento, previsto para ocorrer no Cemitério de Planaltina.

Ao Metrópoles, o delegado-chefe da 16ª Delegacia de Polícia (Planaltina), Érico Mendes, confirmou que vai instaurar um inquérito para apurar as causas do acidente. O investigador também afirmou que o motorista e os passageiros serão intimados a depor ainda nesta semana.

Questionados sobre a situação do coletivo, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e o Departamento de Trânsito do DF (Detran) confirmaram que o veículo tinha a documentação em dia e que não havia restrições.

Crisangela trabalhava na Sustentare há cerca de oito anos. Por meio de nota, a empresa disse que “lamenta profundamente o ocorrido e está prestando toda a assistência aos funcionários envolvidos no acidente”.

BR-020
O acidente ocorreu na BR-020, rodovia que liga o DF à Bahia. O coletivo da empresa Cootran onde os garis estavam tombou na margem da estrada, no sentido Plano Piloto-Planaltina, mais precisamente na alça de acesso ao Morro da Capelinha. As outras 18 pessoas feridas receberam alta ainda no domingo (17). O caso é visto como “fatalidade” pelo Sindicato dos Servidores Terceirizados do SLU.

0

Segundo a superintendente regional da empresa terceirizada, Rejane Costa, chovia no momento em que um caminhão teria fechado o ônibus. Para desviar, o condutor do coletivo passou para a faixa da direita, mas saiu da pista, tombando no canteiro central.

Rejane disse que o veículo está regular. “A avaliação do Corpo de Bombeiros é de que o ônibus estava dentro da velocidade permitida. Os pneus se encontram em perfeito estado. Foram trocados em dezembro de 2018. A mecânica, elétrica e cintos estão em conformidade com as normas”, afirmou.

O Corpo de Bombeiros Militar do DF (CBMDF) atendeu a ocorrência às 12h49, com nove viaturas, uma aeronave e 34 profissionais. A corporação transportou 14 vítimas. Cinco pessoas, entretanto, não quiseram ser levadas para hospitais.

As queixas principais de todas as vítimas eram dor nas costas e tontura. Elas estavam conscientes, orientadas e estáveis, segundo o CBMDF. Aos bombeiros, o motorista do ônibus, José Hamildo de Souza Gomes, 51, afirmou que perdeu o controle por conta da forte chuva.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o condutor do veículo freou bruscamente próximo a um radar eletrônico e, como a pista estava escorregadia, acabou tombando. O acidente provocou retenção na área.

Mais lidas
Últimas notícias