Mãe que agrediu filho de 9 anos com cinto é indiciada por tortura

PCDF diz que teve acesso a mais vídeos que comprovam o comportamento violento recorrente da mulher com todos os três filhos

atualizado 24/05/2021 20:18

agressãoReprodução

A mulher flagrada dando uma surra de cinto no filho de 9 anos foi indiciada pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) pelo crime de tortura. Segundo as investigações da 9ª Delegacia de Polícia (Lago Norte), há outros vídeos parecidos gravados pelos vizinhos em diferentes datas. As agressões contra os três filhos eram frequentes.

Conforme apurado pela delegacia, no período janeiro e maio as outras gravações mostram que as crianças de 9, 4 e 1 ano eram constantemente xingadas de “filhas da p…” , “burras”, além de serem agredidas fisicamente com socos e golpes com cinto de couro. Ameaças de morte e gritos também foram registrados.

O inquérito, segundo o delegado-chefe Jônatas Silva, está em fase de conclusão, “restando somente o cumprimento de algumas poucas diligências para que seja encaminhado ao Poder Judiciário”.

A mulher, cujo nome não foi divulgado, mora no Varjão e foi denunciada pelos vizinhos ao Conselho Tutelar.

Cenas de terror

No vídeo que desencadeou a investigação, é possível ver o momento em que a mulher, após dar broncas e xingar o menino, usa o cinto para agredi-lo repetidas vezes. Segundo a PCDF, a mulher foi identificada e conduzida para prestar depoimento.  A criança fez exames no Instituto Médico Legal (IML).

Na gravação, ela pede a um outro filho que busque o cinto. A mulher reclama e grita que o menino deixou um balde cheio de água na área de serviço: “Chega, quantas vezes eu falei pra limpar isso aqui? Não é pra chorar, não, quantas vezes te falei sobre isso aqui? Falei que não é pra deixar água dentro de balde”.

A mulher, que não teve o nome divulgado para não expor as crianças, chega a ameaçar o filho: “Te falei, seu filho da p…, olha o que você faz, cara, como você faz isso aqui? Vou te matar”.

“Você vai tirar tudo, você vai jogar a p… da água limpa, você vai jogar sabão, vai esfregar com a p… da escova, vai raspar com o rodo, passa a p… do pano. Passa e enxuga”, continua a gritar.

As cenas são fortes. Para não expor as crianças, o Metrópoles borrou as imagens e suprimiu os nomes ditos durante as agressões. Os filhos foram entregues aos cuidados de familiares.

A Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus) informou que as crianças estão sendo acompanhadas por equipes do Conselho Tutelar. A pasta disse que continua “cumprindo seu papel de lutar contra violações, que implicam qualquer tipo de violência a incapaz”.

Veja o vídeo:

 

 

 

Últimas notícias