Lojas de material de construção terão de explicar preços altos ao Procon-DF

Foram 17 empresas notificadas. Elas terão 10 dias para justificar aumento nos valores cobrados

atualizado 01/09/2020 19:56

fiscalizaçãoJP Rodrigues/ Metropoles

Após receber denúncias sobre preços abusivos de materiais de construção, o Instituto de Defesa do Consumidor (Procon-DF) notificou 17 lojas do ramo em todo o Distrito Federal. A operação ocorreu entre os dias 25 e 31 de agosto e cobra justificativas pelo aumento praticado.

Segundo o órgão, a maioria das reclamações foi em relação ao preço do milheiro de tijolo. Na ação, fiscais solicitaram, além de notas fiscais de compra e venda de tijolos, os registros fiscais de saco de cimento, de ferro 3/8” e da brita zero.

“Os empresários alegam se tratar apenas de repasse dos custos, que subiram com a falta dos itens. Mas agora nós vamos analisar as justificativas e toda a documentação para verificar se não se trata de um aumento injustificado nos preços desses produtos durante a crise do coronavírus”, afirma o diretor-geral do Procon-DF, Marcelo Nascimento.

A contar desta terça-feira (1ª/9), todos estabelecimentos notificados têm 10 dias para apresentar resposta ao Procon-DF e justificar os valores cobrados. Se for constatada abusividade, a empresa pode ser multada em até R$ 9 milhões.

0

Últimas notícias