metropoles.com

Lei do SIG: Ibaneis apresenta projeto para flexibilizar uso de lotes

Atualmente restritos, região só pode abrigar atividades bancárias, de radiodifusão e impressão de jornais e revistas

atualizado

Compartilhar notícia

Rafaela Felicciano/Metrópoles
SIG
1 de 1 SIG - Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

O Governo do Distrito Federal (GDF) apresentou nesta quinta-feira (25/04/2019), na primeira reunião do Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do Distrito Federal (Conplan), projeto de lei complementar que flexibiliza o uso dos lotes do Setor de Indústrias Gráficas (SIG).

Inicialmente, a área só poderia ser analisada dentro do Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília (PPCub). No entanto, o governo Ibaneis decidiu destacar a região em projeto específico, que prevê, entre outros pontos, a construção de prédio de até 15 metros de altura na área.

A chamada Lei do SIG amplia os usos dos lotes, atualmente restritos às atividades bancárias, de radiodifusão e impressão de jornais e revistas. Com a proposta, que precisa ser aprovada pela Câmara Legislativa (CLDF), passam a ter permissão para se instalar no setor empresas imobiliárias, de consultoria, arquitetura e engenharia, agências de viagem, comunicação e tecnologia da informação, advocacia, entre outras.

Comércios de pequeno porte, escolas e empresas do ramo alimentício também serão enquadradas à legislação.

“Não faz sentido que a situação do SIG não possa ser resolvida na frente, enquanto todos os demais debates necessários ao PPCub sejam feitos a seu tempo”, defendeu o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Mateus Oliveira. A proposta, segundo ele, tem parecer favorável do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), já que se trata de área tombada.

A mudança de destinação dos lotes do SIG, de acordo com o GDF, é um dos eixos de atuação do SOS Destrava DF, pacote de medidas para impulsionar o desenvolvimento urbano e econômico do território, anunciado em 15 de fevereiro.

Uma vez apreciada pelo plenário do Conplan, a proposta segue para o crivo da sociedade. Será feita audiência pública na qual a comunidade pode se manifestar e propor mudanças. Em seguida, o texto retorna para aprovação no conselho e, somente após essa etapa, será encaminhado à CLDF.

“O GDF precisa demonstrar que a mudança de uso é sustentável, em termos de energia, de impacto no trânsito, na defesa civil, no saneamento, por exemplo. Essa é uma falha sistemática de todos os governos, não apenas no DF. São Paulo, por exemplo, é um dos que mais agride qualquer plano de desenvolvimento urbano”, alerta o arquiteto e urbanista Frederico Flósculo.

Pdot
A proposta foi apresentada pelo próprio governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), que entregou também aos conselheiros a revisão do Plano Diretor de Ordenamento Territorial e Urbano (Pdot).

O Plano Diretor dispõe acerca das diretrizes urbanísticas a serem aplicadas a todos as regiões administrativas. A proposta é orientar o planejamento urbano e desenvolvimento do Distrito Federal, desde a preservação de áreas ambientais até novos pontos de expansão urbana.

“Temos que tomar medidas para facilitar o desenvolvimento do DF como um todo”, afirmou Rocha. A última versão do Pdot é de 2009, e a lei determina que, a cada 10 anos, a norma seja atualizada.

Vicente Pires
O Conplan deve analisar a regularização das etapas 2 e 4 de Vicente Pires dentro dos próximos 30 dias. Até então, somente as glebas 1 e 3 estavam em estágios mais avançados para regularização.

A proposta vai ser relatada por três membros da sociedade civil: a presidente da União dos Condomínios Horizontais do DF e das Associações de Moradores do DF, Junia Bittencourt; o presidente da Federação Nacional do Engenheiros, Ronildo Menezes; e a presidente da Associação Mulher, Inquilinos e Moradores, Ruth Stéfane.

Com a aprovação do conselho, o GDF terá condições para começar o processo efetivo de regularização das etapas. Segundo o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, os relatores serão responsáveis pelo ajuste no plano de ocupação. Isso corresponde às regras para a criação das unidades imobiliárias e definição dos parâmetros urbanísticos para esses lotes.

“A aprovação dessas duas etapas deve ocorrer num prazo de 30 dias, a partir de hoje”, afirmou. O Conplan é a instância colegiada superior na formulação, análise, acompanhamento e atualização das diretrizes e dos instrumentos de implementação da política territorial e urbana. (Com informações de Caio Barbieri e da Agência Brasília)

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comDistrito Federal

Você quer ficar por dentro das notícias do Distrito Federal e receber notificações em tempo real?

Notificações