metropoles.com

Destrava DF: governo quer acelerar liberação de alvarás e licenças

Executivo local lançará nesta sexta-feira (15/2) pacote de medidas para estimular área de construção civil no Distrito Federal

atualizado

Compartilhar notícia

O Governo do Distrito Federal (GDF) quer dar mais agilidade à liberação de alvarás de construção e de licenças de funcionamento. O objetivo é desburocratizar e simplificar a análise dos pedidos que chegam à Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh). Para tanto, o Executivo se prepara para anunciar nesta sexta-feira (15/2) uma série de medidas no programa SOS Destrava DF.

O principal ponto do novo plano, ao qual o Metrópoles teve acesso, é a promessa de liberação em até sete dias de alvarás de construção para projetos de habitação unifamiliar de até 1.000 metros quadrados. Para conseguir cumprir a meta, entre outras medidas, o GDF quer dispensar a fase de habilitação prevista no Código de Obras e Edificações e permitir o Termo de Responsabilidade e Cumprimento de Normas (TRCN) com assinatura de responsável técnico e proprietário. As alterações farão parte de projeto de lei a ser encaminhado à Câmara Legislativa (CLDF).

Uma iniciativa polêmica prevista no Destrava DF é a mudança do tipo de uso dos lotes do Setor de Indústrias Gráficas (SIG) para permitir empresas de prestação de serviços e comércio em geral. Na região, atualmente são autorizados apenas serviços financeiros e gráficas. Essa mudança também só poderá ser aplicada após aprovação de um projeto de lei complementar na CLDF.

O pacote do GDF para área de construção civil prevê a reestruturação da Seduh. Serão criados a Subsecretaria de Parcelamentos e Regularização Fundiária e postos avançados da Central de Aprovação de Projetos (CAP) nas administrações regionais, divididos em 10 macrorregiões. Cada unidade será instalada em uma cidade (veja abaixo, em negrito) e atenderá as mais próximas, com a contratação de 20 servidores para fazer o atendimento. São elas:

  • Gama e Santa Maria;
  • Samambaia, Recanto das Emas e Riacho Fundo II;
  • Taguatinga e Vicente Pires;
  • Ceilândia, Sol Nascente e Brazlândia;
  • Águas Claras, Arniqueira e Areal;
  • Sobradinho I e II, Planaltina, Arapoanga e Fercal;
  • Lago Norte, Varjão, Paranoá e Itapoã;
  • Cruzeiro, Sudoeste SIA e SCIA;
  • Lago Sul, Jardim Botânico e São Sebastião;
  • Park Way, Núcleo Bandeirante, Guará, Riacho Fundo I e Candangolândia.

 

Além disso, serão contratados 20 arquitetos para analisar os processos de empreendimentos de grande porte, habitação unifamiliar e projetos de regularização de edificações nas áreas em processo de regularização fundiária.

O programa ainda estipula a criação de forças-tarefas para aprovação de novos projetos de arquitetura de grande porte e reaprovação de empreendimentos em fase de Carta de Habite-se e pedido de compensação urbanística. Também prevê a realização de “mutirão da licença de funcionamento”, em fins de semana, com atendimento, esclarecimento de dúvidas e emissão imediata de licenças de funcionamento.

Atividades econômicas
A emissão de licenças de funcionamento de atividades econômicas também será facilitada por meio de força-tarefa entre Seduh, Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Secretaria-Adjunta das Cidades.

A Portaria nº 1, publicada no Diário Oficial do Distrito Federal desta quinta-feira (14/2), estabelece o trabalho conjunto das pastas no prazo inicial de 30 dias. O documento foi assinado durante o seminário Políticas Públicas e Desenvolvimento do DF, na sede do Simplifica PJ, em Taguatinga.

Uma das etapas fundamentais para concessão da Licença de Funcionamento de Atividades Econômicas é a avaliação de viabilidade de localização. É o que estabelece a Lei nº 5.5447, de 6 de outubro de 2015.

O processo
Nessa fase, o empreendedor indica onde pretende instalar a empresa e submete a proposta ao poder público. A autorização ou o indeferimento do pedido depende dos usos permitidos para o lote, conforme a Lei de Uso e Ocupação do Solo (Luos). Antes da publicação dessa legislação, a emissão era dificultada em razão da quantidade de normas de gabaritos e planos diretores locais vigentes no território.

A força-tarefa firmada nesta quinta (14) estabelece que a Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação vai prestar apoio aos demais órgãos para interpretar as normas urbanísticas e atualizar o banco de dados da Luos junto ao Simplifica PJ. “Com isso, deixamos de ser uma trava para nos tornarmos destrava ao desenvolvimento econômico do DF”, resumiu o titular da pasta, Mateus Oliveira.

O apoio ao empreendedor é fundamental à geração de emprego e renda, como destacou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Ruy Coutinho. “Nossa missão é agilizar o desenvolvimento econômico do DF”, afirmou.

O atendimento às demandas da comunidade é compromisso do Executivo local, de acordo com o secretário-adjunto das Cidades, Gustavo Aires. Ele defende que o governo deve atuar como “facilitador das atividades econômicas”. (Com informações da Agência Brasília)

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comDistrito Federal

Você quer ficar por dentro das notícias do Distrito Federal e receber notificações em tempo real?

Notificações