Lago Sul e Octogonal: União vende imóveis no valor de R$ 267,2 mi

Governo Federal comercializará terreno de 64 mil m² e três casas em duas áreas nobres no DF

atualizado 07/01/2020 19:46

O governo federal pôs à venda três casas no Lago Sul — sendo duas na Península dos Ministros —, área mais nobre da capital. Além disso, a concorrência pública lançada pelo Ministério da Economia pretende vender um terreno de 64 mil metros quadrados na Octogonal, o equivalente a uma quadra inteira, atrás do Terraço Shopping. O preço mínimo total de todos esses imóveis é de R$ 267,2 milhões.

Quem estiver interessado em adquirir o terreno na Octogonal terá de desembolsar nada menos do que R$ 252 milhões. O preço leva em consideração avaliação realizada no dia 31 de outubro de 2019.

Das três casas à venda, duas estão localizadas no Conjunto 15 da QL 12 do Lago Sul. A que fica no Lote 1 tem terreno de 1.548 m² e custa R$ 6.200.478,26. A outra tem área de 1.800 m², ao preço de R$ 6.343.895,29. A terceira, no Lote 8 do Conjunto 2 da QI 13 do Lago Sul, é um pouco menor: mede 776 m² e será vendida por R$ 2.727040,41.

Confira abaixo a lista e fotos dos imóveis à venda:
0

As sessões públicas para a entrega de propostas serão realizadas no dia 28 de janeiro, às 15h, na sede do Ministério da Economia (Bloco K da Esplanada dos Ministérios), para a alienação das casas do Lago Sul, e no dia 30 de janeiro para a venda do terreno na Octogonal.

As propostas e a documentação devem ser apresentadas até as 16h e a abertura dos envelopes ocorrerá às 16h10, em ambas as datas.

Estimativa de R$ 6 bilhões

Nesta terça-feira (07/01/2020), o Ministério da Economia anunciou a venda de 425 imóveis e 100 mil terrenos em todo o país. A estimativa é arrecadar R$ 6 bilhões em 2020 com a alienação desses bens.

Uma portaria deve ser editada até fevereiro para prever os detalhes da avaliação informatizada dessas propriedades. Isso vai dispensar a visita presencial, que torna o procedimento demorado.

A MP também permite que a venda direta de imóveis da União seja intermediada por corretores, assim como amplia os descontos quando o primeiro leilão da propriedade é fracassado — agora em 25%.

Antes, o governo era autorizado a conceder desconto de até 10% após leilão fracassado por duas vezes seguidas, para imóveis de até R$ 5 milhões.

Até 2022, o governo tem como meta vender 3.775 imóveis, com expectativa de arrecadar em torno de R$ 36 bilhões. Para alcançar esses números, o Executivo confia em uma mudança de cultura e de práticas sobre a venda dessas propriedades. (Com informações da Agência Estado)

Últimas notícias