Justiça mantém presa médica suspeita de matar próprio filho de 3 anos

Juliana Pina de Araújo, 34 anos, pode ter colocado veneno ou remédio na mamadeira da criança

Rafaela Felicciano/MetrópolesRafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 28/06/2018 16:55

Em audiência de custódia nesta quinta-feira (28/6), a juíza Lorena Alves Campos decidiu converter em preventiva a prisão em flagrante de Juliana de Pina Araújo, 34 anos. A médica da rede pública de saúde é suspeita de matar o filho, 3, e tentar tirar a própria vida. A servidora está internada no Instituto Hospital de Base (IHB).

A principal linha de investigação da polícia é homicídio duplamente qualificado (envenenamento e pelo fato de a vítima não ter tido chance de defesa) seguido de tentativa de suicídio. A criança pode ter tido uma overdose de remédios.

“As circunstâncias, sobretudo o fato de ter matado seu próprio filho de 3 anos, bem como o modo como realizou a conduta (supostamente colocando remédio/veneno na mamadeira da criança), demonstra a necessidade da prisão. Tais circunstâncias confirmadas pelas testemunhas extrapolam enormemente a gravidade ínsita ao tipo de homicídio”, anotou a magistrada em sua decisão.

A tragédia ocorreu por volta das 17h40 dessa quarta-feira (27), na 210 Sul, no quarto andar do Bloco J. A criança chegou a ser levada ao Hospital Materno Infantil (Hmib), mas os médicos não conseguiram restabelecer os sinais vitais. Ao lado do filho da servidora, havia uma mamadeira e remédios de uso controlado.

Segundo o porteiro do bloco contou à polícia, Juliana teria descido do apartamento e dito que tinha matado o próprio filho e tentado tirar a própria vida, após cortar o pescoço e os pulsos. Mãe e filho foram levados ao hospital pelo funcionário e um morador do prédio, no carro da própria médica.

“A criança estava desacordada e a mulher toda ensanguentada. Não falava nada e tinha uma aparência abalada. A mãe dela [avó do menino] gritava por socorro”, explicou Gilberto Santos, o vizinho que prestou ajuda.

O primeiro destino foi o Hmib, para tentar salvar o garoto. Gilberto carregava o menino nos braços. Ele, a avó e a médica estavam no banco de trás enquanto o porteiro dirigia.

 

Segundo a Polícia Civil, a médica está na ala psiquiátrica do IHB, devido ao quadro de provável surto. Juliana Araújo encontra-se sob custódia de agentes. A 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul) investiga o crime. O pai da criança, cujo nome não foi divulgado, prestou depoimento na madrugada desta quinta (28). Abalado, mostrou-se surpreso com o fato. Segundo ele, a ex-mulher adorava o filho.

Funcionários do bloco da família contaram ao Metrópoles que o menino e a avó estavam no pilotis na manhã de quarta (27). De acordo com um dos colaboradores, o garoto teria dito: “Tia, deixa eu te ajudar a limpar os vidros?”

“Ele era muito brincalhão e alegre. Uma criança muito esperta e especial. A mãe era uma pessoa muito educada. A gente imagina que isso possa acontecer com alguém distante, mas nunca com alguém próximo”, disse um empregado do edifício.

Ainda de acordo com os funcionários, a avó teria contado que há cerca de duas semanas tentou convencer a filha a se internar, por estar muito deprimida, mas a médica não quis.

A Secretaria de Saúde informou que, a pedido da família, não divulgará informações sobre o caso.

 

Últimas notícias