Justiça nega registro de dupla paternidade a família do DF

Homem que constava como pai na documentação descobriu, após 13 anos, que a criança era fruto de um relacionamento extraconjugal da esposa

atualizado 04/03/2016 10:38

Daniel Ferreira/Metrópoles

A Justiça negou o pedido de uma família que queria incluir o nome de um segundo pai no registro da filha. Segundo o processo, o homem que constava como pai na documentação descobriu, após 13 anos, que a criança era fruto de um relacionamento extraconjugal da esposa.

Desde a descoberta, o pai biológico passou a arcar com todas as despesas médicas e educacionais da filha. Passados mais de 10 anos, a família tentou formalizar a situação, sem excluir o nome do pai socioafetivo do registro civil. No entanto, a Justiça entendeu que não há amparo legal para a alteração.

Mais lidas
Últimas notícias