*
 

A delegada aposentada Martha Vargas foi condenada a 2 anos e 4 meses de prisão em regime aberto por falsidade ideológica e uso de documento falso. A pena foi substituída por duas restritivas de direito, mas a defesa ainda pode recorrer da sentença.

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) acusa a delegada de ter solicitado fundos e diárias para o transporte de um suspeito com mandado de prisão preventiva, mas alegou finalidades diferentes das motivações reais.

O suspeito estava em outro estado, o que exigia deslocamento de policiais civis do DF para fazer o transporte do acusado. A inclusão de uma suposta médium “que ajudaria nas diligências” entre os policiais também foi contestada e agravou a denúncia.

O suposto documento falso utilizado pela delegada para solicitar as diárias configurou falsidade ideológica. O MPDFT pediu também a cassação da aposentadoria da ex-delegada, mas a juíza Maria Augusta de Albuquerque Melo Diniz considerou que haveria amparo legal para a retirada do benefício.

As supostas fraudes ocorreram durante a investigação do assassinato do ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) José Guilherme Villela, a mulher dele, Maria Carvalho Mendes Villela, e a empregada Francisca Nascimento da Silva. Os três foram encontrados mortos no apartamento do casal, na 113 Sul. O crime ocorreu em agosto de 2009.

No ano passado, Martha Vargas foi condenada por improbidade administrativa, em decorrência de uma suposta fraude processual.

Relembre o caso
De acordo com a perícia da época, as vítimas teriam morrido três dias antes após levarem 78 facadas. O inquérito foi conturbado. Martha Vargas acabou afastada devido às acusações de prejudicar as apurações. Assim, o caso passou para as mãos da delegada Mabel Farias, da Coordenação de Investigação de Crimes Contra a Vida (Corvida).

Após mais de um ano de investigações e diversas reviravoltas, Leonardo Campos Alves, ex-porteiro do prédio onde o casal morava; Paulo Cardoso Santana, sobrinho de Leonardo; e Francisco Mairlon Barros Aguiar foram presos pelo triplo assassinato. Em 2012, um júri popular condenou a 55 anos de prisão os assassinos confessos do casal: Francisco Mairlon e Leonardo Campos.

Entretanto, o crime ainda não teve um desfecho completo. Segundo Campos, a mandante dos assassinatos teria sido a filha do casal. De acordo com o Ministério Público do DF, a mulher recebia uma mesada de R$ 8 mil por mês e tinha constantes brigas com a mãe por pedir mais auxílio financeiro. A suspeita chegou a ficar 19 dias detida, mas foi solta e responde às acusações até hoje em liberdade.

A reportagem não conseguiu contato com o advogado de defesa até a última atualização desta reportagem. (Com informações do TJDFT)

 

 

COMENTE

martha vargasassassinato da 113 sul
comunicar erro à redação

Leia mais: Justiça