Dois acusados de matar diretora do HRT são condenados

Segundo as investigações, eles ajudaram Rafael Henrique Dutra da Silva, que era motorista da vítima, no crime

Reprodução/FacebookReprodução/Facebook

atualizado 10/10/2019 17:03

Os réus Samuel Pereira de Araújo e Wallace Gonçalves da Silva foram condenados por participação no latrocínio da médica Gabriela Rabelo Miquelino Cunha (foto em destaque), ocorrido em outubro de 2018. Segundo as investigações, eles ajudaram Rafael Henrique Dutra da Silva, que era motorista da vítima, no crime.

O juiz fixou a pena de Samuel em 21 anos de reclusão, em regime fechado, além de multa. Wallace recebeu a condenação de 6 anos e 2 meses de reclusão, em regime fechado, além de multa. A sentença saiu na segunda-feira (07/10/2019).

Em junho deste ano, Rafael da Silva foi a condenado a 31 anos e 6 meses de reclusão em regime fechado. O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) recorreu para aumentar a pena.

O caso

De acordo com a denúncia do MPDFT, acatada pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT), Wallace Gonçalves tinha sido procurado por Rafael Henrique, com quem já havia cumprido pena, para cometer a ação criminosa. A participação dele ficou restrita em auxiliar o roubo do veículo da vítima.

Indicado por Wallace, Samuel também aceitou participar do roubo do carro da vítima. Durante o crime, Gabriela foi estrangulada por Rafael da Silva, seu motorista particular. Samuel e Rafael deixaram o corpo às margens do Parque Nacional, perto de Brazlândia, e seguiram ao banco sacar o dinheiro da médica.

Por dois meses, Rafael se passou por Gabriela por meio de mensagens telefônicas. Manteve contato com a família da vítima pelo WhatsApp, dizendo que estava internada em uma clínica de repouso. Durante o período, ele movimentou a conta bancária da servidora.

Rafael tinha acesso aos cartões bancários e às senhas da vítima. Ele, inclusive, possuía uma procuração com amplos poderes. No fim, realizou 14 saques em agência ou transferências eletrônicas, que chegaram ao valor de R$ 200 mil.