Jovem que ocultou Naja planejava fugir com 16 cobras para escapar da PCDF

Metrópoles teve acesso ao depoimento que narra detalhes do que ocorreu após Pedro Krambeck ser picado por uma Naja kaouthia

atualizado 24/07/2020 22:34

Rafaela Felicciano/Metrópoles

Um depoimento ao qual o Metrópoles teve acesso aponta que Gabriel Ribeiro –  preso por suspeita de envolvimento na ocultação de provas de investigação que apura o tráfico de animais exóticos –  pretendia fugir com 16 cobras. As serpentes foram encontradas em um haras no Núcleo Rural Taquara, em Planaltina.

O proprietário do imóvel, um jovem que também estuda medicina veterinária com Gabriel deu detalhes aos investigadores da 14ª Delegacia de Polícia (Gama) sobre os fatos que ocorreram logo após Pedro Krambeck ser picado por uma Naja kaouthia que criava em casa, no Guará.

0

Pedro foi levado ao hospital Maria Auxiliadora, no Gama, e o amigo Gabriel Ribeiro iniciou uma peregrinação a fim de esconder os animais clandestinos que Pedro criava. Em depoimento, o rapaz conta ter recebido uma ligação de Gabriel, que estava aparentemente desesperado. Ribeiro perguntou se poderia guardar duas cobras na chácara.

Gabriel foi até a casa do amigo por volta das 22h. De lá, seguiram para Planaltina. Ao chegarem no haras, as cobras foram colocadas pelo estudante em uma baia de cavalos. Os animais estavam dentro de caixas e foram transportadas na carroceria de uma Ford Ranger de cor prata.

O dono do imóvel alegou à polícia que não chegou a ver quantas serpentes ficaram no local. Afirmou que Gabriel o deixou de volta em sua casa, no Lago Norte. Destacou ter questionado o porquê de levar os animais para a propriedade rural, mas não obteve resposta. Gabriel informou apenas que ia voltar para pegar os repteis e que iria viajar com eles posteriormente.

No dia seguinte, o homem soube por meio dos jornais que Pedro tinha sido picado por uma Naja e que estava em estado grave. Preocupado, o rapaz ligou para o caseiro do imóvel e pediu para que ele olhasse quantas caixas haviam sido deixadas na baia dos cavalos. O funcionário verificou que não havia apenas duas, como o informado por Gabriel, mas muitos recipientes com animais.

O jovem tentou entrar em contato com Gabriel, mas alegou que o colega “sumiu”. Logo em seguida, teve conhecimento de que Ribeiro voltou à chácara, mas que pegou apenas uma das cobras. Ele conta que pensou em denunciar a situação, mas ficou com medo de ser taxado como “traficante de cobras”.

“As cobras são de Pedro”, diz mãe

Ele também detalhou aos policiais ter recebido uma ligação da mãe de Pedro, a qual informou que “iria assumir as cobras que eram de Pedro”.

O estudante informou aos policiais não sabes onde realmente os animais eram criados, mas acredita que Pedro era o responsável por ter toda a estrutura de viveiro montada. Pedro e os amigos também eram conhecidos como o grupo de “exóticos”, ano qual estão inseridos estudantes que têm interesse nesse tipo de animal.

Prisão

Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul, 22 anos, foi picado pela serpente asiática em 7 de julho e chegou a ficar em coma no Hospital Maria Auxiliadora, no Gama. O rapaz, que também é estudante de veterinária, teve alta e está em casa, no Guará. Ele ainda não prestou depoimento, pois apresentou atestado médico justificando a pandemia do novo coronavírus como motivo.

Gabriel Ribeiro foi um dos alvos da operação, deflagrada no último dia 22. O jovem foi preso e encaminhado à 14ª DP.

Em outra ocasião, policiais também cumpriram quatro mandados de busca e apreensão, no Guará, Gama e Riacho Fundo. Foram apreendidos diversos documentos, celulares, medicamentos de uso veterinário, mais uma serpente conhecida como Corn Snake (cobra do milho) e vários itens usados na criação ilegal de animais silvestres e exóticos.

Mais lidas
Últimas notícias