Iges-DF divulga plano de vacinação contra Covid-19 de 9 mil funcionários

O Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (Iges-DF) detalhou como será a imunização contra o coronavírus entre seus empregados

atualizado 17/01/2021 18:43

Hospital de BaseRafaela Felicciano/Metrópoles

O Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF) anunciou, neste domingo (17/1), o plano de vacinação contra Covid-19 de 9 mil funcionários que atuam no combate ao novo coronavírus.

Entre os profissionais que serão imunizados, estão médicos, enfermeiros, pessoas responsáveis pelo transporte e alimentação de pacientes, pela limpeza dos espaços e outras funções desempenhadas para manter o atendimento nas unidades de saúde de acometidos pela Covid-19 e outras enfermidades.

O Iges-DF administra o Hospital de Base, o Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) e as unidades de pronto atendimento (UPAs). A entidade é mantida por repasses da Secretaria de Saúde do DF.

Servidores, colaboradores celetistas e terceirizados receberão as doses contra Covid-19. A vacina que será oferecida e a quantidade de doses ainda serão informadas pela Secretaria de Saúde do DF, que aguarda definições do Ministério da Saúde. O Iges-DF disse que vai definir a data do início da vacinação para seus colaboradores após o recebimento dessas informações.

“Estamos plenamente alinhados com o Plano Nacional de Imunização e com a Secretaria de Saúde para, dentro das normas estabelecidas pelos governos, oferecer a vacinação a nossas equipes”, pontuou o presidente do Iges, Paulo Ricardo Silva. “Com isso, vamos garantir a segurança de tantas pessoas que estão atuando no combate à pandemia e continuar prestando uma assistência de qualidade à população, sem interrupção dos nossos serviços”, assinalou.

Organização

O Iges-DF informou que estão previstas quatro salas para atender os trabalhadores: uma no Hospital de Base, uma no HRSM e mais duas em UPAs das regiões Norte e Sul.

No Hospital de Base, a vacinação deve ocorrer no pronto-socorro, em um espaço adequado, com cinco poltronas separadas por baias. Dessa forma, cinco pessoas devem receber o imunizante por vez. A previsão é de que até 600 funcionários sejam vacinados por dia, sem aglomeração.

O atendimento ocorrerá das 7h às 21h em 12 dias corridos. O superintendente do Hospital de Base, Lucas Seixas, disse que “os 10 primeiros dias estão reservados para servidores e colaboradores; o dia seguinte para os terceirizados; e o último dia para possíveis retardatários”. O horário de atendimento, a quantidade de dias de força-tarefa e a estrutura da sala de vacinação deverão ser seguidos também no HRSM e nas UPAs, de acordo com Paulo Ricardo.

O quadro de pessoal será dividido em 10 grupos para definir a ordem de atendimento. O primeiro será composto por funcionários mais velhos. Para evitar ausências em massa em uma mesma equipe caso haja algum efeito colateral, as demais fases vão incluir 10% de cada setor. “Essa estratégia pretende evitar que um setor fique desfalcado e o atendimento à população seja comprometido”, pontuou Seixas.

A segunda dose da vacina será aplicada 21 dias depois da primeira, seguindo o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19. Quem receber o imunizante contra a Covid-19 não poderá ser vacinado para outras enfermidades no período de 30 dias antes e 30 dias depois, para evitar interações desconhecidas que ameacem a saúde. O Iges-DF destacou que essa é uma recomendação técnica.

Cadastro

O Iges-DF enviará aos colaboradores um link para que possam acessar o site e efetuar o cadastro para a vacinação.

“Assim que houver mais definições sobre os detalhes e os fluxos de atendimento, os trabalhadores serão informados por grupos de WhatsApp e e-mail, inclusive quanto à data e ao horário corretos para cada um se dirigir à sala de vacinação, evitando filas e aglomerações”, ressaltou.

Segundo o Iges-DF, não haverá gastos com contratações extras porque o instituto vai convocar voluntários entre seus funcionários para a força-tarefa dos 12 dias de vacinação contra a Covid-19 e no período posterior para aplicação da segunda dose.

“Além disso, a logística para a montagem das salas de vacinação não prevê gastos com aquisição de materiais, porque tudo será aproveitado do mobiliário já existente, como geladeiras, computadores e poltronas”, concluiu.

Últimas notícias