*
 

A Polícia Civil identificou a segunda vítima do acidente no Eixão Sul, ocorrido no sábado (11/8), após um ladrão manter reféns, fugir da polícia, perder o controle do carro e provocar uma colisão. O nome da mulher que estava ao lado de Márcio Barbosa Oliveira, 52 anos, na Kombi que capotou, era Giselda da Silva Mota, 39 anos. Eles morreram na hora da batida frontal com o veículo dirigido pelo assaltante.

Ambos estavam na Kombi da empresa que Márcio trabalhava, a Tarot Dona Dayane, com sede na W3 Sul. Eles foram atingidos por um Mitsubishi TR4 branco, conduzido por Paulo Bras de Oliveira Júnior, 23 anos, que havia sido beneficiado pelo saidão do Dia dos Pais e cometeu outro crime.

De acordo com informações da Polícia Militar, Paulo roubou o relógio de uma mulher na 505 Sul quando foi visto por policiais. Para fugir, ele fez tia e um sobrinho, de 6 anos, reféns, roubando o Mitsubishi TR4 que minutos depois bateu de frente com o carro onde estavam Márcio e Giselda.

Desgovernada, a Kombi colidiu com outro veículo, uma Ford Ecosport, na qual havia cinco ocupantes. As pessoas que estavam na Ecosport foram atendidas pelo Corpo de Bombeiros e encaminhadas ao Instituto Hospital de Base (IHB). Entre elas, havia uma criança de 7 anos. Um dos ocupantes foi internado em estado grave.

Pena de 33 anos
Segundo informações da Polícia Civil, Paulo Bras pode ser indiciado por roubo com restrição de liberdade, em função de ter mantido dois reféns; assalto e acidente de trânsito com morte. Se as penas forem somadas, podem chegar a 33 anos em regime fechado.

O acusado está preso na Divisão de Controle e Custódia de Presos (DRCC). ​Todas as diligências investigatórias sobre a dinâmica do crime e eventuais participações serão apuradas pela 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul).

Paulo Bras de Oliveira Júnior, 23 anos, é presidiário e havia sido beneficiado pelo saidão do Dias dos Pais. Segundo a Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social (SSP-DF), 1.105 internos deixaram as unidades prisionais do DF a partir das 7h de sexta-feira (10). Os presos devem retornar até as 10h de segunda (13).

Paulo foi preso em setembro de 2016, acusado de integrar uma quadrilha especializada em roubos de relógios de luxo da marca Rolex. O bando agia no Lago Sul. O grupo era de São Paulo e enviava os produtos dos assaltos na capital para comparsas do outro estado.