GDF transfere gestão do Mané Garrincha para consórcio

A medida será tomada durante solenidade na manhã desta terça-feira (04/02/2020)

atualizado 04/02/2020 14:36

Mané Garrincha por dentroJacqueline Lisboa/Especial para o Metrópoles

O governador Ibaneis Rocha (MDB) fará, em solenidade na manhã desta terça-feira (04/02/2020), a transferência do Complexo Esportivo de Brasília para o consórcio Arena BSB. Dessa forma, a iniciativa privada assume a gestão do Estádio Nacional Mané Garrincha.

Além da arena, a iniciativa privada também ficará responsável pela administração do Ginásio Nilson Nelson e pelo Complexo Aquático Cláudio Coutinho. A concessão é válida por 35 anos. Ao longo do período, o DF receberá R$ 5 milhões por ano e 5% do faturamento, também medido em 12 meses.

Durante a administração do GDF, o custo de manutenção do Mané Garrincha, o estádio mais caro da Copa de 2014 e envolvido em escândalo de corrupção, superou a arrecadação. Por mês, a arena demandava o gasto de pelo menos R$ 700 mil. Com poucos jogos e eventos, as contas fechavam no vermelho, lesando os cofres públicos.

Em julho do ano passado, a Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) e a Arena BSB assinaram o contrato de concessão do Centro Esportivo de Brasília, o ArenaPlex.

Últimas notícias