GDF permite que bares e restaurantes fechem mais tarde. Veja como fica

Locais que atualmente encerram as atividades às 19h poderão ficar abertos até as 21h. Competições esportivas serão liberadas após as 22h

atualizado 12/04/2021 16:36

RestauranteRafaela Felicciano/Metrópoles

O Governo do Distrito Federal vai flexibilizar o horário de funcionamento de bares e restaurantes na capital, além de mudar a determinação sobre competições esportivas. Todos obedecem as medidas restritivas devido à pandemia do novo coronavírus.

Em novo decreto a ser publicado no Diário Oficial do DF desta terça-feira (13/4), o governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), vai ampliar o funcionamento de bares e restaurantes. Hoje com autorização para funcionar até as 19h, esses comércios vão poder ficar abertos até as 21h.

Além disso, competições esportivas oficiais, como jogos de futebol, poderão ser realizadas sem público depois das 22h. Após esse horário, todos os profissionais diretamente envolvidos na organização terão de se recolher. “Lembrando que é vedado ao público. Só as competições podem ocorrer”, afirmou o secretário-chefe da Casa Civil, Gustavo Rocha, em entrevista coletiva realizada na tarde desta segunda-feira (11/4), no Palácio do Buriti.

O toque de recolher continua vigorando na capital. Não haverá mudanças nesse quesito, por enquanto. “O recolhimento noturno está surtindo efeitos muito positivos, reduz internações e casos na capital”, completou Rocha.

Venda de bebida

Além do mais, estabelecimentos que hoje devem parar de vender bebidas alcóolicas às 20h ganharam mais uma hora de funcionamento, e poderão comercializar cerveja, vinho, destilados, entre outros, até as 21h.

O funcionamento de marinas nos clubes do DF também pode voltar. No entanto, deve ser limitado a 50% das embarcações. Fica vedada a junção de lanchas, e a fiscalização no Lago Paranoá será intensificada.

Taxa de transmissão

Para adotar as novas medidas, o GDF se baseou na queda da taxa de transmissão, que, nesta segunda-feira (12/4), chegou a 0,87. Os especialistas recomendam que o índice fique abaixo de 1.

Últimas notícias