GDF compra 100 mil testes para Covid-19 e vai retomar 10 postos drive-thru

Empresa baiana foi escolhida para tratar do serviço no Distrito Federal pelo valor de R$ 5,2 milhões

atualizado 14/08/2020 12:01

Profissional de saúde colhe material para teste rápido para Covid-19HUGO BARRETO/METRÓPOLES

O governo do Distrito Federal comprou 100 mil testes do novo coronavírus, do tipo IgG e IgM, no valor total de R$ 5.290.000. Assim, a testagem será retomada e será aplicados em sistema drive-thru, em 10 locais da capital do país.

O Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) desta sexta-feira (14/8) traz a ratificação de dispensa de licitação para o serviço. A empresa KNC Medicina Diagnóstica, com o nome fantasia de Vitalab, foi a escolhida. Ela é de Salvador e já fornece teste laboratoriais gerais para o governo do Distrito Federal e o governo federal.

Ela foi contratada pela Secretaria de Saúde como empresa especializada para execução de serviço laboratoriais de análises clínicas, para realização dos 100 mil testes. Cada um deles saiu pelo preço unitário de R$ 52,90. Serão 10 pontos de testagens distribuídos pelo DF, “a partir de critérios epidemiológicos e demográficos”, segundo a publicação.

0

A Secretaria de Saúde enviou nota à reportagem que ainda vai iniciar as tratativas com a empresa vencedora do certame e que não existe definição sobre onde serão os pontos de testes. “Por enquanto, não há data para o início da testagem”, afirma o comunicado.

Suspensão da testagem

No dia 2 de julho, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) suspendeu o prosseguimento do processo licitatório para a compra de 100 mil testes rápidos. A decisão liminar atendeu a um mandado de segurança impetrado pelo Instituto de Pesquisas e Serviços Médicos (Ipsem).

De acordo com o advogado da empresa, Marcus Paulo Santiago, as regras definidas pela Secretaria de Saúde para a aquisição dos exames causou estranheza. “As exigências foram tantas que só podem indicar direcionamento ou superfaturamento. Ainda mais por se tratar de um insumo cuja a eficácia é avaliada pela Anvisa”, explicou.

A decisão do juiz Jansen Fialho de Almeida, da 3ª Vara da Fazenda Pública do Distrito Federal, levou em consideração a operação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) deflagrada no mesmo dia, que investiga superfaturamento no valor de R$ 30 milhões em contratos para a compra de testes de Covid-19.

O GDF recorreu e no dia 16 de julho, o TJDFT autorizou a retomada do processo de contratação para aplicação de 100 mil testes rápidos.

Desde o fim de junho, os testes em drive-thru tinham sido suspensos. A partir de 29 de junho, os exames eram feitos somente em hospitais e Unidades Básicas de Saúde (UBS).

De acordo com a Secretaria de Saúde do DF, enquanto funcionou, o drive-thru realizou 227.296 testes rápidos e 18.284 casos positivos foram diagnosticados.

 

Últimas notícias