Filhos sofrem muito com ausência de Noélia, diz marido

Crianças, segundo Marcos Paulo, eram muito apegadas à mãe, assassinada no Distrito Federal. Vizinho é suspeito

atualizado 28/10/2019 13:53

MYKE SENA/ESPECIAL PARA O METRÓPOLES

O vigilante Marcos Paulo Mendes Santana, 42 anos, diz que os filhos sentem muita falta de Noélia Rodrigues de Oliveira, 38. A mãe dos pequenos foi assassinada no dia 17 de outubro, após sair do trabalho, numa loja no Brasília Shopping, Asa Norte. O marido conta que as crianças, de 9 e 5 anos, eram extremamente apegadas a Noélia e sofrem muito com a ausência dela. “Eles são pequenos, ainda ficam sem entender a real, o porquê e o que é a perda da mãe”, disse, nesta segunda-feira (28/10/2019).

O companheiro da vítima afirma que está evitando as redes sociais, após os comentários que atacam a memória da esposa. “A família continua chocada e assustada com o que aconteceu. Temos que esperar surgir novos fatos, para saber exatamente o que houve. Até lá, estou evitando contato com essas mensagens”, pontuou Marcos.

A descoberta do assassino da comerciária provocou reações distintas no marido da vendedora: surpresa, decepção e alívio. Pouco mais de uma semana após a morte da parceira, ainda em luto, ele tenta consolar os filhos e diz estar empenhado em defender a reputação da mulher: “Estão difamando a imagem dela. Era uma ótima esposa e excelente mãe”, desabafou.

0

 

 

Marcos Paulo (foto em destaque) ressalta que o processo todo tem sido doloroso e difícil, e que o filho mais velho, de 16 anos, é o que mais tem sentido a barbárie cometida contra a mãe. “Ele já entende mais e está desolado, sofrendo muito. A família está unida e se ajudando para que os filhos não cresçam traumatizados.”

Assassino desejou pêsames

Ao tomar conhecimento da prisão de  Almir Evaristo Ribeiro, 43, como principal suspeito, Marcos Paulo diz ter ficado sem reação. “Fiquei muito surpreso, porque era uma pessoa que sempre estava ali na rua. Não éramos amigos, mas sempre dava bom-dia, boa-tarde, encontrava em alguma festa de fim de ano. Nunca imaginei que alguém tão próximo fosse capaz de fazer isso”, contou o vigilante, que relembrou a dissimulação de Almir Evaristo quando a polícia confirmou a morte de Noélia: “Ele me desejou os pêsames”.

Chefe da 38ª Delegacia de Polícia (Vicente Pires), a delegada Adriana Romana disse, na sexta-feira (25/10/2019), acreditar, com base nos elementos recolhidos até agora, que o operador de máquinas planejou assassinar Noélia provavelmente porque ela teria tentado colocar fim ao suposto relacionamento.

Almir foi preso na quinta-feira (24/10/2019). Ele não confessa o feminicídio. No entanto, segundo a PCDF, as investigações o colocam na cena onde Noélia foi achada morta com um tiro no rosto, no Assentamento 26 de Setembro, em Vicente Pires. De acordo com a delegada, antes de ser encontrado pela polícia, o operador de máquinas apagou todas as mensagens de seu celular, que foi apreendido. Mas os registros de ligações trazem evidências claras, segundo as diligências: o derradeiro contato telefônico de Noélia foi com o suspeito.

Adriana Romana ressalta ainda que Almir foi o último a ver Noélia com vida, no dia 17 de outubro. A polícia faz uma varredura para tentar achar o celular, a bolsa da vítima e a arma usada no crime, inclusive na área onde a comerciária foi achada morta, no Assentamento 26 de Setembro, em Vicente Pires. Almir está em prisão temporária de 15 dias, e a polícia tenta revertê-la para preventiva. A delegada destaca que os policiais querem ouvi-lo novamente, para entender a motivação do crime. “Até agora, o investigado decidiu usar o direito de permanecer calado”, comentou a chefe da DP responsável pelo caso.

Segundo a delegada, vítima e criminoso se conheciam: “A gente conseguiu identificar que ela e o autor tinham um relacionamento extraconjugal e mantinham contatos diários e frequentes há quatro meses. Ele buscou Noélia no Eixo Monumental, próximo ao Brasília Shopping, e depois seguiu para o assentamento. Ainda não soubemos se ela foi morta no veículo”, explicou Adriana Romana.

“Tivemos acesso aos extratos das ligações telefônicas dela. Nesses documentos, tinha ligações entre Noélia e o autor por quatro meses”, pontuou a investigadora. “Eram ligações que duravam mais de uma hora”, completou. Ainda de acordo com a delegada, a mulher do suspeito, após muita insistência, acabou admitindo que desconfiava da relação entre o marido e a vítima.

Outra linha de apuração que reforçou o nome de Almir Evaristo como assassino da vendedora foi o fato de os investigadores terem refeito o caminho percorrido por Noélia. “A gente conseguiu refazer todo o trajeto dela. Ela vai pelo Setor Hoteleiro e para em um arbusto. Essa foi a última imagem que conseguimos dela, bem próximo à parada.”

 

Confira os últimos momentos de Noélia com vida no Setor Hoteleiro Norte:

 

 

 

Últimas notícias