Empresário de Águas Claras fornecia drogas a festas luxuosas de swing no DF

O Metrópoles apurou que o grupo evitava frequentar casas especializadas em swing e procurava mansões, hotéis de luxo e chácaras sofisticadas

atualizado 05/07/2020 13:10

A prisão de um empresário conhecido em Águas Claras revelou grande esquema de tráfico de drogas sintéticas que abastecem festas luxuosas de swing em vários pontos do Distrito Federal. O distribuidor foi preso pela Coordenação de Repressão às Drogas (Cord) em 26 de junho e provocou o desdobramento das apurações. Boa parte das drogas embalavam as festas regadas a sexo, sempre organizadas por um grupo fechado formado por pessoas de alto poder aquisitivo.

De acordo com as investigações, o suspeito pertencia ao círculo de frequentadores dos eventos privê e vendia MDMA, ecstasy, lança-perfume e loló. As drogas eram consumidas por frequentadores antes, durante e depois das trocas de casais.

O Metrópoles apurou que o grupo evitava frequentar as casas especializadas em swing e procurava mansões, hotéis de luxo e chácaras sofisticadas para realizar as festas. Os locais escolhidos eram sempre discretos, longe de olhares curiosos.

As festas com muitas drogas sintéticas, música e sexo à vontade chegavam a durar três dias. Abastecer os eventos fez com que o empresário – atualmente preso no Centro de Detenção Provisória (CDP) – estocasse grande quantidades de comprimidos de MDMA. Os policiais da Cord chegaram a apreender 380 unidades da droga, geralmente importada da Europa.

Veja imagens: 

0
Seleção criteriosa

Segundo as apurações da Cord, o comerciante possuía amplo acesso aos maiores eventos do Distrito Federal e disponibilizava convites para os integrantes do círculo de amigos que organizava as festas. A reportagem conversou com um homem que já havia participado de algumas das baladas. Sem se identificar, ele contou que há uma seleção criteriosa para se escolher os novos integrantes do grupo de swing.

A forma de seleção se dá por grupos fechados no WhatsApp. “Essas festas são frequentadas apenas por pessoas da ‘nata’ brasiliense.  Os candidatos são introduzidos por casais que já fazem parte do círculo. Os novatos são incluídos em subgrupos e, caso aprovados, são inseridos no grupo principal e definitivo”, contou o ex-membro.

Mulheres solteiras quase sempre são aceitas com mais facilidade para participar das festas. “Homens solteiros não entram, salvo se forem celebridades. Se homens ou mulheres fizerem programas sexuais também estão fora da jogada”, explicou a fonte. A seleção pode durar semanas para que o novo casal ou a mulher solteira ganhe a confiança do grupo e passe a ser convidado para as festas.

Estimulante sexual 

Ainda segundo o ex-frequentador das festas, as drogas sintéticas não eram os únicos meios de dar “disposição” para os casais resistirem a até três dias de pura lascívia. “Em muitos dos eventos, tinham bandejas onde eram servidos comprimidos de combate a impotência, como o Viagra. Os homens consumiam muito esses comprimidos”, disse.

Segundo o diretor da Cord, delegado Rogério Henrique Oliveira, as investigações estão em andamento e podem ter desdobramentos futuros.  “Com certeza, a prisão desse empresário ampliou o leque de investigação e poderemos chegar a novos autores”, resumiu.

Erramos – Inicialmente, a reportagem tinha como imagem de destaque a foto de uma tradicional casa de swing do DF, a Zeus Night Club. A foto foi publicada equivocadamente, uma vez que o estabelecimento não foi alvo da operação policial e tampouco era frequentado pelo grupo criminoso, que, conforme descrito na reportagem, evitava frequentar as casas especializadas em swing. 

Últimas notícias