Empresa é condenada a pagar R$ 10 mil a aluno que caiu de ônibus no DF

Jovem afirma que motorista acelerou de forma brusca quando ele estava descendo do ônibus. Aluno fraturou o nariz e precisou de cirurgia

atualizado 14/05/2021 11:35

A Justiça do Distrito Federal condenou a empresa TTAP Transportes e Logística e, de forma subsidiária, o Distrito Federal a indenizar um adolescente que sofreu queda ao descer do veículo escolar público. Para o magistrado, houve má prestação do serviço. O valor da indenização será de R$ 10 mil.

O autor conta no processo que voltava da escola CED Irmã Maria Regina Velanes Régis, em Brazlândia, e quando estava descendo do ônibus, o motorista acelerou de forma brusca, o que o fez cair com o rosto no chão. A queda causou uma fratura no nariz, fazendo com que passasse por procedimento cirúrgico. O caso, segundo ele, ocorreram em 2017.

Em sua defesa, o DF afirma que a empresa é a responsável pelos eventos narrados pelo autor e que, no caso, houve culpa exclusiva da vítima. A TTap Transportes, por sua vez, alega que o autor desceu do ônibus sem observar as cautelas necessárias e que não há nexo de causalidade entre o acidente sofrido e a conduta do motorista.

Ao analisar o caso, o magistrado observou que há provas de que houve má prestação do serviço de transporte escolar. Segundo o julgador, o funcionário da empresa “não tomou as devidas cautelas para a segurança do menor ou minimizar a ocorrência de danos”.

O juiz explicou ainda que o Distrito Federal é o responsável subsidiário pelas falhas ou execuções fora do padrão dos serviços contratados, uma vez que o estado tem a obrigação de garantir a integridade física dos alunos tanto no deslocamento quanto na escola.

“A fratura no nariz do demandante poderia ter sido evitada ou poderia ocorrer uma lesão mínima em outro membro do estudante (como arranhões ou escoriações leves) sem grandes dores ou transtornos. Mesmo sendo lesão corporal leve, a parte autora teve que ser hospitalizada e submetida a procedimento cirúrgico, passando por sofrimento desnecessário em razão dos indigitados fatos. Assim sendo, houve violação aos seus direitos de personalidade, cabendo o dever de indenizar às partes adversas”, afirmou o juiz.

Cabe recurso da sentença.

Últimas notícias