Compare as propostas de Ibaneis e Rollemberg para o GDF

Os candidatos homologaram os planos de governo na Justiça Eleitoral. O Metrópoles comparou os principais pontos dos dois concorrentes

atualizado 20/10/2018 15:15

Arte/Metrópoles

Os dois candidatos ao Palácio do Buriti elaboraram longos planos de governo para Brasília e os homologaram no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Ibaneis Rocha (MDB) detalhou suas propostas em 69 páginas; Rodrigo Rollemberg (PSB), em 74. Eles convergem em diversos pontos no papel, mas também divergem em muitos outros.

Na mobilidade urbana, por exemplo, os concorrentes concordam em implantar um sistema de informação aos usuários sobre os horários dos ônibus. Sobre os servidores públicos, ambos reconhecem a necessidade de melhorar os salários de professores, policiais e bombeiros. Por outro lado, eles divergem quanto ao modelo de gestão da saúde.

Na educação, Rollemberg prevê diversas obras: quer reformar ou construir 41 Centros de Educação da Primeira Infância (Cepi); inaugurar ao menos 10 colégios de diferentes níveis educacionais; reconstruir outras unidades escolares, além de fazer escolas técnicas em Brazlândia, Paranoá, São Sebastião e Santa Maria.

Por sua vez, Ibaneis foca: o plano de carreira dos profissionais; a modernização do trabalho com a compra de tablets; a conservação e reforma das escolas existentes, além da ampliação na oferta de vagas por meio de parcerias. O candidato ainda prioriza a educação integral e a criação de uma universidade pública distrital.

Saúde e segurança
Na saúde e na segurança, as previsões de construções se repetem para Rollemberg. O governador também quer expandir o modelo do Instituto Hospital de Base (IHB) para outras unidades. Já Ibaneis é contra o modelo. Ele prevê modernização, contratações, valorização e capacitação do servidor, sem mencionar obras.

A oito dias das eleições no segundo turno, o Metrópoles separou algumas das propostas previstas nos planos de governo dos candidatos, para que os eleitores possam fazer suas análises. Os temas selecionados foram: educação, saúde, geração de empregos, segurança pública e mobilidade urbana.

Confira:

EDUCAÇÃO

Michael Melo/MetrópolesIbaneis Rocha 

Arte/ Metrópoles– Conceder aumento aos professores e proporcionar capacitação continuada dos profissionais. Dar remuneração justa e variável em função de metas estabelecidas em conjunto com a categoria, além de pagar atrasados;

– Comprar tablets para os profissionais usarem nas salas de aula;

– Criar a Universidade Pública Distrital, a partir da ampliação da Escola Superior de Saúde, para aumento da oferta do número de profissionais de qualidade, em nível superior e técnico especializado, nas mais diversas áreas do conhecimento;

– Conservar, reformar e ampliar a rede de ensino público do Distrito Federal, de modo a assegurar a expansão de ofertas de vagas nas escolas existentes e melhorar a qualidade da educação;

– Ampliar a oferta de vagas em creches para atender os segmentos de baixa renda.

 

Rodrigo RollembergArte/Metrópoles– Valorizar os profissionais da educação nos termos do Plano Distrital de Educação, além de aumentar o valor das funções gratificadas para diretor, vice-diretor, chefes de secretarias e supervisores das unidades escolares da rede pública de ensino do DF, e da gratificação dos titulares das coordenações regionais de ensino;

– Universalizar a educação infantil para crianças de 3 anos por meio da criação de 30 mil novas vagas para a faixa etária de zero a 5 anos;

– Reformar ou construir 41 Centros de Educação da Primeira Infância (Cepi). Reformar o CEM 10 de Ceilândia; reconstruir a Escola Classe 52 de Taguatinga 4; construir ao menos 10 escolas de diferentes níveis educacionais e reconstruir outras três. Construir ainda escolas técnicas em Brazlândia, Paranoá, São Sebastião e Santa Maria;

– Implantar o projeto Embaixadores da Prevenção para fortalecer o combate ao uso de drogas em escolas e espaços sociais;

– Asfaltar todas as vias de acesso às escolas rurais (programa Caminho das Escolas).

SAÚDE

Felipe Menezes/MetrópolesIbaneis RochaArte/ Metrópoles

– Pagar remuneração justa e variável em função de metas estabelecidas em conjunto com a categoria, além de quitar os atrasados dos servidores, diminuindo a necessidade de judicialização;

– Corrigir o déficit no número de Núcleos de Apoio à Atenção Básica (NASFs). Ampliar o horário de atendimento de unidades básicas que contenham duas ou mais equipes para um plantão diário de 12 horas, das 8h às 20h, de maneira a desafogar os serviços de urgência e emergência, os quais atingem horário de pico das 17h às 20h;

– Facilitar o acesso do usuário à atenção primária de saúde (porta de entrada), eliminando filas de atendimento por meio do agendamento de consultas via telefone, internet ou aplicativos disponibilizados para celular;

– Aumentar a produtividade das equipes de profissionais de saúde a partir da organização dos processos informatizados, trazendo tecnologia para as equipes que atuam em campo. Implementar o controle eletrônico dos estoques e sua distribuição, evitando desperdícios;

– Oferecer nas unidades básicas de atendimento (UBS) infraestrutura adequada. Elas devem conter equipamentos como desfibrilador, ultrassom obstétrico e eletrocardiógrafo, além de pessoal. Fazer parcerias com o setor privado para preenchimento das vagas ociosas, inclusive em horários diferenciados, para atendimento a curto prazo da demanda reprimida.

Rodrigo Rollemberg

Arte/Metrópoles– Rever o modelo de gestão dos hospitais regionais de modo a garantir maior agilidade para abastecimento e contratações, fortalecendo a Rede Hospitalar do DF. Terão modelo semelhante ao Instituto Hospital de Base: Hmib, Hran, HRL, HRS, HRP, HRB, HRC, HRsam, HRT, HRG e HRSM;

– Construir 13 novas unidades básicas de saúde e reformar sete já instaladas;

– Construir três novos hospitais: um especializado em câncer, um em Ceilândia e um no Guará;

– Criar quatro centros de parto normal nos hospitais que realizam maior número;

– Implementar novas soluções tecnológicas nas unidades de saúde do DF, que permitam melhor registro de informações clínicas, de gestão e de logística de insumos e medicamentos.

GERAÇÃO DE EMPREGOS

Valdecir Galor/SMCS

Ibaneis Rocha

Arte/ Metrópoles

– Investir em centros de educação comunitária para o trabalho, voltados para a promoção e capacitação profissional. A prioridade será para jovens e adultos em situação de vulnerabilidade, com ampliação da oferta de cursos profissionalizantes na proximidade das residências;

– Implementar o Programa de Qualificação Profissional para menores em regime de privação de liberdade;

– Apoiar iniciativas empreendedoras como condição para o desenvolvimento do Distrito Federal, com treinamento nos primeiros anos de existência das empresas para as áreas de gestão, inovação e competitividade;

– Incentivar o primeiro emprego, oferecendo capacitação específica conforme plano de geração de postos de trabalho em decorrência da ampliação dos empreendimentos existentes e atração de novos investimentos. Priorizar o jovem e a mulher nessas políticas, pois são a maior parcela dos desempregados, e fortalecer o programa Jovem Aprendiz;

– Fortalecer o ensino de inglês e espanhol nas escolas públicas e ampliar as bases educacionais de idiomas voltados ao mercado de trabalho.

Rodrigo Rollemberg

Arte/Metrópoles– Reestruturar as Agências do Trabalhador;

– Transformar a Fábrica Social em um grande centro de formação e fomento ao empreendedorismo;

– Implantar um grande programa de qualificação profissional voltado ao mercado, garantindo a empregabilidade dos trabalhadores formados;

– Implementar modelo de quiosques como padrão a ser replicado em todo o DF;

– Promover fomento ao crédito e inovações fiscais, além de instituir o Código de Defesa do Contribuinte.

SEGURANÇA PÚBLICA

Daniel Ferreira/Metrópoles
Ibaneis Rocha

Arte/ Metrópoles

– Reestruturar e reequipar delegacias que estão fechadas, para que voltem a funcionar regularmente, garantindo atendimento 24 horas à população urbana e rural do Distrito Federal;

– Estruturar e implementar planos de carreira para os servidores públicos da área de segurança pública (policiais civis, militares e agentes penitenciários);

– Selecionar e capacitar servidores para atuar na recepção e acolhimento de cidadãos pertencentes a grupos vulneráveis vítimas de qualquer tipo de violência;

– Reduzir a quantidade de efetivos empregados em atividade-meio, através da modernização da gestão e da participação dos policias militares da reserva na atividade-meio;

– Implantar um canal único de atendimento ao cidadão, denominado Botão do Pânico, que integre os órgãos de segurança pública, em chamadas de urgência e emergência (Samu, Bombeiros, Detran e polícias Civil e Militar), por meio de telefone, aplicativo de celular e plataforma na internet.

Rodrigo Rollemberg

Arte/Metrópoles– Recompor o plano salarial dos servidores da PCDF, Polícia Militar e Bombeiros;

– Implantar o plano de cargos para Polícia Militar e Bombeiros, com redução dos prazos de promoção, tornando mais justa e rápida a ascensão profissional;

– Contratar 4 mil policiais militares, além de 2,5 mil agentes, escrivães, peritos, delegados, papiloscopistas, médicos-legistas, agentes policiais de custódia e da carreira de apoio;

– Comprar equipamentos e viaturas para as forças de segurança pública;

– Construir a 8ª Delegacia de Polícia, no SIA; reconstruir a 17ª DP, em Taguatinga Norte; construir a 38ª DP, em Sobradinho II; construir os edifícios do Instituto de Perícia de DNA Forense e do Instituto de Medicina Legal; modernizar e ampliar a Delegacia Especial de Atendimento à Mulher; criar a segunda Deam de Ceilândia e a terceira Deam em Planaltina.

MOBILIDADE URBANA

Igo Estrela/MetrópolesIbaneis Rocha

Arte/ Metrópoles– Adotar um sistema de tecnologia moderno para garantir a manutenção (conservação e restauração) de pontes, viadutos, passagens de pedestres, calçadas e demais estruturas instaladas no DF;

– Estudar a viabilidade de se criar uma Agência de Mobilidade com a finalidade de integrar vias, modais e sistemas operacionais no Distrito Federal;

– Melhorar a qualidade do serviço do Metrô-DF com a ampliação da quantidade de trens em circulação, por meio de modernização nos sistemas de energia, sinalização e controle;

– Aprimorar o Bilhete Único, ampliando a integração dos sistemas de bilhetagem entre os diversos modais de transporte, e facilitar a recarga dos cartões pelo usuário via internet e em totens localizados em áreas públicas de grande circulação de pessoas;

– Aumentar a frota de ônibus colocada à disposição da população, com wi-fi e ar-condicionado; garantir a criação de novos itinerários que interliguem a área rural à urbanizada do DF e à região metropolitana de Brasília; e informar a população sobre os horários do transporte público mediante aplicativos para smartphones.

Rodrigo Rollemberg

Arte/Metrópoles– Implantar novo sistema de bilhetagem automática com acesso pleno (novas formas de pagamento) e ampliação do Bilhete Único para atingir os principais municípios da Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (Ride-DF);

– Modernizar o monitoramento da frota;

– Concluir o sistema de informação aos usuários;

– Ampliar os investimentos em terminais no DF para integração para quatro municípios adjacentes a Brasília;

– Promover a integração física e tarifária entre todos os modais de transporte.

Mais lidas
Últimas notícias