DF: total de profissionais da Saúde e Segurança com Covid-19 cresce 129,45%

Entre 5 e 20 de maio, quantidade de servidores das duas pastas infectados pela doença aumentou de 387 para 888

atualizado 21/05/2020 11:20

A comparação entre os boletins divulgados pela Secretaria de Saúde do Distrito Federal mostra o aumento do número de casos do novo coronavírus em duas categorias de servidores. A quantidade de funcionários da Segurança e da Saúde infectados pela Covid-19 aumentou 129,45% nas últimas duas semanas.

De acordo com documento do dia 5 de maio, havia 387 servidores das duas áreas com a doença. Nos dados dessa quarta-feira (20/05), esse número saltou para 888.

Há 15 dias, foram registrados 207 casos de profissionais da Segurança Pública contaminados pela Covid-19 e havia uma morte de servidor da área registrada. No último boletim divulgado, eram 321 trabalhadores das forças de segurança locais infectados e dois óbitos.

Uma das corporações mais atingidas é a Polícia Militar do Distrito Federal, responsável pelo policiamento ostensivo de todas as cidades.  Com o maior efetivo entre as forças de segurança, a instituição registrou aumento de 52,3% nos casos de policiais contaminados pelo novo coronavírus, nos últimos seis dias, conforme noticiado pelo Metrópoles.

De acordo com dados fornecidos pela corporação, 32 homens testaram positivo para a Covid-19 nessa segunda-feira (18/05) contra 21 contabilizados na terça-feira da semana passada (12/05). As estatísticas ainda apontam para outros 14 PMs que se curaram, mas o sargento Romildo Pereira, 50 anos, acabou morrendo em decorrência da doença em 2 de abril.

0
Saúde mais impactada

Separadamente, contudo, os funcionários da Saúde são os mais afetados. No início do mês, 180 testaram positivo para o coronavírus e dois não sobreviveram à doença. Agora, 567 testaram positivo para a Covid-19 e três óbitos foram confirmados.

Reportagem do Metrópoles apontou esse crescimento de profissionais da saúde pública do Distrito Federal contaminados com a Covid-19, em relação a seis Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e seis hospitais. Nesses locais, a doença chegou a 286 integrantes da linha de frente de combate ao novo coronavírus no DF.

Até essa terça-feira (19/05), 89 funcionários em seis UPAs foram diagnosticados com Covid-19. As UPAs são geridas pelo Instituto de Gestão Estrategica de Saúde do DF (Iges-DF). O Hospital de Base e o Hospital de Santa Maria, também administrados pelo Iges, tiveram na sequência 47 e 32 funcionários contaminados, desde o começo da pandemia.

A doença avança entre os servidores da rede pública tradicional. Segundo a Secretaria de Saúde, nos hospitais regionais de Ceilândia (HRC), Taguatinga (HRT) e Samambaia (HRSam), foram contaminados 53, 42 e 22 funcionários, respectivamente.

0

As UPAs de Ceilândia, Sobradinho, São Sebastião, Samambaia, Núcleo Bandeirante e Recanto das Emas tiveram, na ordem, três, cinco, 12, 58, sete e quatro trabalhadores afastados.

Segundo a Secretaria de Saúde, ainda não há o mapeamento consolidado de quantos servidores da pasta foram contaminados. A secretaria está realizando testagem massiva no quadro de pessoal.

A pasta afirma que está em marcha um plano de ação, desde 9 de abril, para monitorar a saúde dos servidores. A pasta também nega a falta de EPIs. Segundo o Iges, EPIs estão sendo distribuídos regularmente para os colaboradores e nunca houve desabastecimento. Os funcionários devem trocar de máscara a cada duas horas. O instituto também está fazendo testagem no quadro de pessoal.

Últimas notícias