DF: após confusão e uso de gás de pimenta, PM prende aluno em escola

Segundo ocorrência policial, o jovem discutia com funcionário e agrediu policial durante abordagem no CEF 427 de Samambaia

Reprodução/TV GloboReprodução/TV Globo

atualizado 10/05/2019 14:31

Um estudante de 18 anos do Centro de Ensino Fundamental (CEF) 427, em Samambaia Norte, foi preso na noite dessa quinta-feira (09/05/2019) durante uma gincana na instituição de ensino. A Polícia Militar do DF foi acionada por conta de uma discussão entre o aluno e um funcionário da escola e usou spray de pimenta para conter os ânimos.

Na ocorrência registrada na 26ª DP (Samambaia), consta que o aluno teria apresentado resistência e agredido um policial. Maior de idade, ele pagou fiança de R$ 350 e foi liberado, mas foi autuado por lesão corporal e resistência. Outro rapaz também foi apresentado à unidade policial por ter se envolvido em confusão generalizada dentro da unidade de ensino.

Um professor do CEF 427, que preferiu não se identificar, contou que a confusão teve início quando os policiais chegaram para abordar o aluno. O docente diz que outros funcionários e estudantes também foram atingidos por spray de pimenta. “Uma adolescente desmaiou e não pôde ser socorrida”, afirmou. Ao tentar filmar com a câmera do celular, ele diz que foi impedido por PMs.

A Coordenação Regional de Ensino (CRE) de Samambaia informou que acompanha e aguarda o fim da apuração da Polícia Civil sobre o “incidente envolvendo a Polícia Militar e estudantes do CEF 427”. Ressaltou ainda que esteve com a família do jovem que começou o incidente e acompanha a situação.

A CRE orientou o estudante, maior de 18 anos, a pedir transferência da escola e garantiu que vai convocar uma reunião com a comunidade escolar a fim de esclarecer o episódio, “incomum na escola”, e tranquilizar pais, responsáveis e demais alunos.

“Vale salientar que o estudante não possuía histórico de violência no ambiente escolar e que a escola trabalha a cultura de paz por meio de projetos durante o ano todo. As aulas foram suspensas na unidade nesta sexta-feira (10/05/2019)”, ressaltou.

A Polícia Militar disse, por meio de nota, que dois homens, alunos do CEF 427, “desacataram o diretor e desobedecerem a ordem de sair da escola”. A PMDF destacou que foi acionada e, mesmo assim, eles não queriam deixar o local.

“Começou uma confusão na escola e um deles agrediu o policial com um soco no rosto. Com a chegada do apoio, alguns alunos tentaram impedir a condução do agressor para delegacia. Nesse momento, foi usado o gás de pimenta para dispersar os alunos. O homem foi apresentado na 26ª DP e responderá pelos crimes de lesão corporal e desobediência”, ressaltou a corporação.

Momentos depois, a PMDF foi acionada novamente, desta vez porque alguns alunos bloquearam a via em frente à porta da escola com vários objetos, paus e pedras. A rua foi liberada e o Corpo de Bombeiros foi chamado para limpar a sujeira que teria sido deixada pelos alunos no local. “O diretor da escola foi à delegacia e testemunhou a favor dos policias agredidos”, de acordo com a PMDF. O CED 427 não tem gestão compartilhada.

Após encontro com o setor produtivo nesta sexta-feira (10/05/2019), o governador Ibaneis Rocha (MDB) preferiu não fazer pré-julgamentos sobre a conduta da PM. Disse, porém, que o DF ainda precisa enfrentar um longo caminho para superar a violência nas escolas.

“Nós temos mais de 330 mil desempregados no DF. Isso reflete nos números da violência, dentro dos lares. Certamente quando você vai buscar o que está por trás do que aconteceu, você vai ter exatamente ali um lar um pouco desorganizado. Então, nós temos que buscar dar assistência, cuidar das nossas famílias, crianças”, destacou.

Imobilização
Em abril deste ano, vídeos feitos por estudantes do Centro Educacional 7 de Ceilândia, escola com gestão compartilhada, circularam nas redes sociais. As imagens mostram um aluno sendo derrubado e imobilizado por um policial militar. O jovem está no chão e o PM permanece sobre ele. Também é possível ver um segundo estudante sendo controlado por outros agentes de segurança.

Segundo a direção da escola, 1.350 alunos participavam de uma atividade coletiva, no início da aula, quando é cantado o Hino Nacional e hasteada a bandeira. Ainda de acordo com o colégio, três alunos teriam começado uma briga.

Segundo o comando da unidade, o projeto da gestão compartilhada está gerando bons resultados, principalmente na questão disciplinar, recebendo elogios inclusive de pais e mães de alunos. Por isso, apesar das cenas desta sexta (10/05/2019), a iniciativa deve continuar: “Os policiais merecem um voto de confiança. Mesmo porque as pessoas que estão envolvidas são extremamente comprometidas e preocupadas com a educação”.

 

Últimas notícias