Descontrolado, homem ignora medida protetiva, quebra carro e ameaça ex

No mesmo dia em que Simone Sousa morreu a facadas pelo ex-marido, um homem foi preso no Gama e enquadrado na Lei Maria da Penha

PMDF/DivulgaçãoPMDF/Divulgação

atualizado 04/09/2018 12:12

No mesmo dia que Simone de Sousa Lima, 26 anos, foi esfaqueada até a morte pelo ex-marido, um homem de 30 anos foi preso no Gama após descumprir medida protetiva, destruir o carro da ex-mulher e ameaçá-la de agressão.

Na manhã dessa segunda-feira (3/9), transtornado, o rapaz foi até o trabalho da vítima e quebrou os vidros do veículo dela que estava estacionado em frente ao comércio e tinha duas cadeirinhas de criança no banco de trás.

Em seguida, invadiu a farmácia e foi em direção à ex. Ameaçou bater na mulher, mas foi contido por funcionários do estabelecimento, que o colocaram para fora e impediram que ele permanecesse no local.

A Polícia Militar foi chamada e, quando chegou ao endereço, o agressor já havia ido embora. A vítima deu o endereço dele. Na residência, a mãe do acusado tentou impedir o trabalho da PM. Ela mentiu e disse que ele não estava.

Depois de muito insistir, o próprio acusado apareceu no portão e partiu para cima dos policiais, agredindo um deles. Em seguida, fugiu para dentro de casa. Foi feito um cerco e ele foi preso. A mãe do acusado a todo momento tentou impedir o trabalho dos policiais.

Na 20ª Delegacia de Polícia (Gama), o acusado foi autuado na Lei Maria da Penha, lesão corporal, ameaça, dano, desacato, resistência e descumprimento de medida protetiva. O nome dele não foi fornecido pela PM.

21º feminicídio
Nessa segunda-feira (3), o DF registrou o 21º caso de feminicídio no Distrito Federal em 2018. Simone Sousa, a mais recente vítima, lutou pela vida. Grávida de dois meses, ela foi morta a golpes de facão pelo ex-companheiro no começo da manhã.

Informações preliminares do laudo cadavérico apontam que a moça apresentava cortes nas mãos, braços e perna. Isso leva a crer que ela tentava se livrar dos ataques desferidos por Josias Sacramento dos Santos, 40. No fim da tarde desta segunda (3), a Justiça expediu o mandado de prisão preventiva em nome do suspeito. Ele continua foragido.

“Fiz uma merda, matei minha esposa”
O delegado Rodrigo Têlho, da 33ª DP (Santa Maria) ressaltou que, momentos após o crime, Josias procurou o cunhado na residência dele e disse: “Fiz uma merda, matei minha esposa”.

O suspeito pediu ajuda para fugir, mas o familiar negou e alegou que o carro estava quebrado. Por volta das 10h30, o cunhado do acusado acionou a PM. Josias, segundo a Polícia Civil do Distrito Federal, tinha uma banquinha de carteado na região.

O crime ocorreu por volta das 6h desta segunda-feira (3), na QR 517, Conjunto C, Casa 18, em Santa Maria. Simone foi encontrada morta na residência do ex-companheiro. De acordo com o delegado cartorário da 33ª DP, Paulo Fortini, a família informou que a vítima estava grávida de dois meses. O casal tem um filho de 2 anos.

Simone teria sido chamada por Josias para ir até a residência dele na manhã de segunda (3). No mesmo dia, de acordo com o delegado, os dois teriam audiência na Justiça relacionada à medida protetiva que havia sido concedida pelo Juizado de Santa Maria.

Em conversa com a reportagem na manhã desta terça (4), uma prima de Simone disse que o caso era uma “tragédia anunciada”. Simone deixa dois filhos, um deles com 2 anos, fruto do relacionamento com Josias, quatro irmãs e os pais. “Elas estão transtornadas”, ressaltou a jovem, por meio de uma conversa pelas redes sociais. O corpo da vítima ainda não tem hora para ser enterrado.