Covid: 90% dos internados nas UTIs do DF não tomaram todas as doses

Taxa de internados não vacinados ou com vacinação incompleta é o mesmo de 12 de janeiro. Ocupação de leitos de UTI na rede pública é de 100%

atualizado 25/01/2022 14:13

Mulher de óculos e máscara mostrando agulha com vacinaIgo Estrela/Metrópoles

Pacientes internados em leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) destinados ao tratamento contra Covid-19 no Distrito Federal deixaram de se vacinar parcial ou totalmente. Segundo a Secretaria de Saúde, 90% das pessoas hospitalizadas pelo novo coronavírus, nesta terça-feira (25/1), não tomaram o imunizante contra a doença ou estão com ciclo vacinal incompleto.

O índice é o mesmo de 12 de janeiro, ocasião em que o governador em exercício, Paco Britto, fez um apelo à população para que moradores do DF procurem um posto de saúde e recebam a dose do fármaco contra Covid-19.

Também nesta terça, o DF atingiu a ocupação máxima de leitos de UTI da rede pública. A última atualização do portal InfoSaúde, responsável pela divulgação do monitoramento diário da pandemia no DF, ocorreu às 7h10.

Do total de 83 leitos, 25 permanecem bloqueados, enquanto as duas unidades que estavam vagas foram ocupadas. Há 10 pacientes aguardando na lista de espera para tratamento.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
0

Também houve aumento na procura por leitos de unidades de cuidados intermediários (UCI). A taxa de ocupação neste caso subiu para 71,11% e, dos 45 espaços destinados a pacientes, 32 encontram-se ocupados.

Na rede privada, a taxa de ocupação de leitos está perto de 60%. São 72 ocupados e 51 vagos, o que resulta no índice de 58,54%.

Metrópoles procurou a Secretaria de Saúde do DF e questionou sobre o plano de mobilização de leitos, uma vez que a taxa de ocupação permaneceu, durante toda a segunda-feira (24/1), acima dos 90% e amanheceu sem leitos disponíveis em UTIs.

Por meio de nota, a pasta informou que “está tomando todas as providências para aumentar a oferta de leitos gerais na rede pública do DF. Entre as medidas, estão a ampliação da jornada de trabalho de servidores que atuam diretamente na assistência, de 20h para 40h semanais, e a contratação de mais leitos em hospitais particulares”.

Sobre os 25 leitos bloqueados, a Saúde destacou que trabalha para que as vagas sejam disponibilizadas o quanto antes. “Estamos organizando o desbloqueio dos leitos que foram bloqueados por força de trabalho reduzida e realizando a mobilização de leitos de enfermaria que auxiliam no giro desses leitos de UTI”, explicou a pasta, ainda em nota.

Taxa de transmissão da Covid-19

Na contramão da escalada das últimas semanas, a taxa de transmissão da Covid-19 no Distrito Federal recuou na segunda-feira (24/1) e atingiu 2,24. Na última sexta-feira (21/1), o índice se igualou ao recorde registrado na capital do país em 2020, chegando a 2,61.

A taxa acima de 1 representa avanço da pandemia; abaixo dessa linha, sinaliza que há controle da disseminação. O número dessa segunda-feira significa que 100 pessoas contaminadas transmitem o vírus para outras 224.

Novos casos

Até as 17h de segunda-feira, o Distrito Federal havia notificado 568.433 casos da Covid-19. Apenas nas últimas 24h, foram confirmadas 6.976 novas infecções causadas pelo Sars-Cov-2 na capital.

Do total de casos computados, 525.159 estão recuperados e 11.143 evoluíram para óbito. A Diretoria de Vigilância Epidemiológica do DF notificou quatro mortes em decorrência da doença ocorridas em data anterior, e nenhuma na segunda-feira (24/1).

Mais lidas
Últimas notícias