Com reabertura de shoppings, comerciários formam fila gigante por testes

O movimento é intenso nos arredores do Sesc da Asa Sul. Funcionários do comércio foram fazer testes de Covid-19

Hugo Barreto/Metrópoles

atualizado 26/05/2020 14:43

No dia em que mais atividades são reabertas e na véspera da retomada do funcionamento dos shoppings, uma fila gigantesca de comerciários se forma na Quadra 504 Sul, onde os funcionários farão testes gratuitos de coronavírus. A quantidade de pessoas na manhã desta terça-feira (26/05) chama atenção. Pessoas próximas uma das outras, com máscaras, esperam para serem atendidas na unidade do Serviço Social do Comércio (Sesc).

A fila dá volta na entrequadra. Os testes são uma exigência para a retomada das atividades. O Sesc informou que a Federação do Comércio (Fecomércio) fez parceria com o GDF para disponibilizar 500 testes rápidos e gratuitos, diariamente, aos funcionários de todo o comércio da capital da República. Mas, por conta da alta demanda, serão 2 mil exames nesta terça, segundo informou o diretor-regional do Sesc, Marco Túlio Chaparro.

“No entanto, se houver uma demanda um pouco maior, por dia, será possível realizar o exame. Os testes rápidos e gratuitos ocorrem apenas na unidade da 504 Sul. A Fecomércio também oferta outro tipo de exame em parceria com um laboratório na 913 Sul, com desconto de 50%”, destacou o Sesc.

A assessoria informou também que há uma equipe do Sesc orientando as pessoas na fila para que não fiquem sem máscara e mantenham a distância recomendada pela OMS. O Departamento de Trânsito (Detran) e a Polícia Militar estão no local.

Augusto Vilela da Ribeira Soares, 19 anos, é motorista em uma clínica de vacinas e chegou na fila do teste rápido por volta das 7h30. Segundo ele, ainda faltam cerca de 150 pessoas realizarem o teste para chegar a sua vez.

“Vou ter que esperar porque é uma regra da empresa para que a gente possa voltar ao trabalho ainda nesta terça-feira. Acho correto para podermos nos sentir confiantes em voltar para o serviço testados e sem a suspeita da Covid-19. Sem prejudicar a nossa saúde e também a do próximo”, disse.

Maria Fernanda Silva é vendedora em um quiosque de shopping do DF e também terá que testar negativo para voltar ao trabalho a partir desta quarta-feira (27/05). Ela reclama de aglomeração na fila.

“Estão todos colados uns nos outros. Espero que até as 14h eu consiga ir embora. Ainda estou longe de chegar no ponto. Acredito que ainda tenha 300 pessoas na minha frente”, calculou. “É inconveniente ter que esperar. Ainda mais com a situação da contaminação, porém é necessário para a gente retornar com segurança. Acredito que deveriam ter disponibilizado os testes antes para evitar essa fila”, acrescentou.

0

Dois meses após o fechamento dos shoppings no Distrito Federal como medida de conter o avanço do novo coronavírus, os 20 centros comerciais da capital poderão reabrir as portas nesta quarta-feira (27/05). Apesar da empolgação com a retomada dos negócios, lojistas têm consciência de que o brasiliense não voltará a frequentar os estabelecimentos em massa.

Para tentar garantir tranquilidade aos clientes, os empresários apostam em seguir rigorosas medidas de prevenção à Covid-19.

Para o presidente da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), Glauco Humai, todos os protocolos de segurança exigidos serão seguidos, como a medição obrigatória da temperatura de todos os frequentadores do local, limite de 50% no uso do estacionamento e a proibição de consumo de comidas.

“A gente precisa recuperar a confiança. No Rio Grande do Sul e Santa Catarina, a primeira semana de reabertura ficou na ordem dos 40% ou 50% do que era antes da pandemia. Agora, está em cerca de 70%. Coube a nós pensar que estávamos preparados para uma reabertura. É possível operar respeitando os protocolos”, explica Glauco.

O presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal (Fecomércio-DF), Francisco Maia, confia que será bem mais fácil controlar a disseminação da doença nos shoppings. “Tem portaria. O pessoal pode ir lá e controlar a entrada”, pondera.

O único problema, segundo ele, tem sido a testagem para a Covid-19. Muitos comerciantes têm relatado dificuldades em conseguir agendar na rede pública e o exame em laboratórios particulares são muito caros para serem feitos em grandes quantidades.

Após a permissão de que lojas de calçados e sapatos pudessem abrir as portas, o Governo do Distrito Federal (GDF) decidiu que, a partir desta terça-feira (26/05), vários outros segmentos do comércio de rua na capital poderão retomar as atividades. Foram quase 70 dias de fechamento para vários empresários.

Para a volta ao funcionamento, no entanto, medidas de segurança precisam ser adotadas. Entre as várias exigências estabelecidas no decreto publicado no dia 22 de maio está o uso de máscaras por funcionários, garantia da distância de 2 metros entre clientes e aferir a temperatura dos consumidores.

No intuito de garantir que tudo será seguido, o governo anunciou a criação de um “Disque Denúncia” específico para fiscalizar a adoção das medidas sanitárias pelo comércio. De acordo com promessa do governador Ibaneis Rocha (MDB), a central deve sair do papel nos próximos dias e vai funcionar como uma espécie de ouvidoria.

Outra medida tomada foi o reforço na limpeza de calçadas na frente de estabelecimentos da W3 Sul por equipes do programa GDF presente. Foram 10 pessoas tirando a sujeira dos passeios com água, sabão, cloro e desinfetante.

Veja aqui quais as atividades podem funcionar a partir desta terça.

Últimas notícias