Com greve e poucos trens, estações do metrô no DF ficam lotadas

Por determinação judicial, 14 dos 24 vagões circulam em horário de pico. Terminais registram aglomeração na manhã desta segunda-feira

atualizado 19/04/2021 14:59

Estação de Ceilândia Centro lotada por causa da greve dos metroviários no DFRafaela Felicciano/Metrópoles

As estações do metrô do Distrito Federal amanheceram lotadas nesta segunda-feira (19/4). Após assembleia da categoria terminar, no domingo (18/4), sem consenso, o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Metroviários do DF (SindMetrô) decidiu entrar em greve, por tempo indeterminado. Dessa forma, a semana começa com apenas 14 dos 24 trens circulando em horário de pico.

Com a redução no número de vagões, houve aglomerações nos terminais, em plena pandemia da Covid-19 na capital. Na Estação Ceilândia Centro, passageiros reclamaram da demora dos trens, que, às 7h, levavam cerca de 12 minutos para chegar aos terminais.

Veja imagens do terminal de Ceilândia Centro nesta manhã:

0

“Geralmente, espero 4 minutos, mas, hoje, já tem bem uns 15 minutos que estou aqui, e não chega”, comentou Edmundo Souza e Silva, 58 anos. Ele mora no P Norte e trabalha como caseiro no Park Way. Segundo o profissional, ele faz esse trajeto todo dia, mas teme maior aglomeração no transporte público.

“Eu pego um ônibus de casa para a estação. Daqui, vou de metrô até o Park Shopping. De lá, pego BRT para Santa Maria. São três transportes por dia, porque temos de trabalhar, não tem jeito. Mas o medo é grande, porque é muita gente junta”, afirma Edmundo.

A moradora do Sol Nascente Dalvanete Francisca dos Santos, 39, se atrasou para o serviço nesta segunda devido à pouca quantidade de trens. Ela trabalha como empregada doméstica em Arniqueira e pega dois metrôs pela manhã e outros dois à tarde, todos os dias. Hoje, notou maior lotação nos vagões.

“Todo dia é bem rápido. Em 4 minutos, já pego o metrô. Mas já tem muito tempo que estou aqui e já sei que vou me atrasar”, reclama. “Eu sou do grupo de risco, então, quando vi que a porta ia fechar e tinha um monte de gente se espremendo, preferi esperar outro, porque dá muito medo pegar essa doença”, relata Dalvanete.
Taguatinga

Na Estação Praça do Relógio, em Taguatinga Centro, também havia aglomeração. Às 8h, os trens estavam lotados. Nesse horário, a espera no local durava, em média, 10 minutos.

Ana Beatriz Ferreira, 23, saiu de casa para levar o filho a uma consulta, no Plano Piloto, e ficou assustada com a quantidade de pessoas nos vagões. “Eu, normalmente, vou de Uber, mas, hoje, decidi pegar metrô, porque não sabia da greve. Quando vi que estava cheio, resolvi esperar o próximo. É frustrante imaginar uma greve num momento desses da pandemia”, queixa-se.

Veja imagens da estação de Taguatinga:

0

Águas Claras

Na Estação Águas Claras, por volta de 9h, já fora do horário de pico, o movimento era baixo tanto dentro dos vagões como no terminal. A espera pelo metrô levava cerca de 10 minutos.

O bombeiro José Brasilino, 36, mora em Águas Claras e usa diariamente o transporte público para se deslocar até o trabalho. Nesta manhã, ele notou que o tempo de espera foi maior do que o comum. “Normalmente, é muito rápido, leva uns 2 minutos para chegar, porque eu pego qualquer um  Hoje, tem uns 10 minutos que estou esperando”, comenta.

Veja imagens do terminal de Águas Claras:

0

Segundo a Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF), todas as 27 estações estão abertas nesta segunda-feira. Em nota divulgada nesta segunda, a empresa informou que o sistema operou com 60% dos trens, como estipulou liminar do TRT. “Fora do horário de pico, ainda de manhã, seis trens estavam em operação, o que corresponde a 40% do total que normalmente circula neste horário, conforme percentual também estabelecido pelo TRT.”

Veja a nota:

“O Metrô-DF continuará tomando todas as medidas cabíveis para evitar maiores transtornos que a greve dos metroviários possa causar à população do Distrito Federal. Desde fevereiro, a Companhia realizou nove reuniões de negociação e participou de duas audiências de conciliação no TRT. No entanto, não houve consenso. O Metrô-DF manteve todos os benefícios, com exceção daqueles considerados sem amparo legal, como o 13º Auxílio Alimentação.

A Companhia permanece disposta à negociação e aberta ao diálogo, desde que a categoria vote a última proposta apresentada para o ACT 2021 – 2023, que contempla avanços, mas sequer foi apreciada pela categoria nas duas últimas assembleias. Foram incorporadas à proposta inicial cláusulas que atendem a reivindicações da categoria, como nova escala de trabalho para agentes de estação e seguranças e gratificação por quebra de caixa, entre outras.

 A greve dos metroviários coloca em risco a saúde pública e o esforço coletivo do Governo do Distrito Federal e da sociedade, que há mais de um ano combate os efeitos devastadores da COVID-19. Por essa razão, a Companhia espera que os metroviários repensem a paralisação e analisem a proposta apresentada pelo Metrô-DF”.

Reivindicação

Após assembleia que só terminou na madrugada desta segunda, a categoria optou por não aceitar a proposta da Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF) e vai paralisar os trabalhos, mantendo apenas 60% dos trabalhadores em seus postos nos horários de pico e 40% no restante do dia.

A categoria pede o restabelecimento do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT). E vai ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT) para pedir a revisão de decisão judicial e tentar reduzir o percentual de funcionamento obrigatório de 60%, nos horários de pico, para 30% do quadro funcional.

O principal gatilho para o movimento paredista foi o corte do auxílio-alimentação no início de abril. “Nosso benefício é de R$ 1,2 mil, e o Metrô cortou. Não quiseram negociar nem diante do TRT. Além disso, querem cortar nosso plano de saúde e nossa previdência. São benefícios conquistados no Acordo Coletivo de Trabalho”, afirmou a diretora de administração do SindMetrô, Renata Campos.

Últimas notícias