Vídeo. Cobra Naja que picou universitário é encontrada perto de shopping

A Polícia Civil e o Ibama abriram investigação para identificar como a cobra chegou ao Distrito Federal. Suspeita é de tráfico de animais

atualizado 09/07/2020 21:22

cobraMaterial Cedido ao Metrópoles

A cobra Naja kaouthia que picou um universitário na terça-feira (7/7) e estava desaparecida foi localizada pelo Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA), no início da noite desta quarta-feira (8/7). A serpente foi encontrada dentro de uma caixa de plástico, próximo a um barranco, nas redondezas do shopping Píer 21, no Setor de Clubes Sul. A Polícia Civil e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) abriram investigação para identificar o meio como a cobra chegou ao Distrito Federal.

A Naja está na lista das serpentes mais venenosas do mundo. Quem criava o animal exótico era o universitário Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul, 22 anos. Ele está internado, em coma induzido, na UTI do hospital Maria Auxiliadora, no Gama.

Veja imagens da Naja após a apreensão pelo Batalhão de Polícia Ambiental do DF: 

Veja fotos do caso: 

0

 

De acordo com o comandante do BPMA, major Elias Costa, o animal é muito agressivo, mas estava tranquilo no momento da captura, saudável e aparentemente era bem cuidado.

Conforme a Polícia Militar, após muitas conversas com pessoas ligadas ao estudante Pedro Henrique, um amigo do universitário indicou o local onde o animal teria sido deixado. Assim, foi possível localizar a serpente e capturá-la.

Mais cedo, policiais civis e agentes do Ibama chegaram a realizar buscas em endereços ligados ao universitário, na tentativa de localizar e apreender a serpente. Mas não houve sucesso nas operações.

Tráfico e multa

A suspeita de investigadores da Delegacia de Combate à Ocupação Irregular do Solo e aos Crimes contra a Ordem Urbanística e o Meio Ambiente (Dema) é de que a serpente tenha sido alvo de tráfico internacional de animais exóticos.

Segundo o Ibama, no DF não existe registro, nos últimos anos, da entrada legal de uma serpente dessa espécie. “Vamos apurar a procedência desta cobra, que naturalmente  não chegou ao DF pelas vias normais de importação”, afirmou uma fonte policial ouvida pelo Metrópoles.

Em nota divulgada nesta noite, o Ibama destacou que o criador, que está hospitalizado, não tem permissão para manter o animal em ambiente doméstico.

“Assim que o animal for localizado, o Ibama emitirá multa, que pode variar entre R$ 500 e R$ 5 mil, e ser aplicada ao criador ou ao proprietário da residência onde permanecia”, informou o instituto. “O órgão fará uma consulta às instituições habilitadas quanto ao interesse em receber a cobra, como zoológico e institutos de pesquisa”, completou.

Confira a íntegra da nota do Ibama: 

“O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) informa que acompanha o caso de uma cobra, supostamente do tipo naja, que picou um homem no Distrito Federal nessa terça-feira, 7. O criador, que está hospitalizado, não tem permissão para manter o animal em ambiente doméstico – a legislação permite apenas espécies não venenosas para esse fim.

Os fiscais ainda trabalham para encontrar a cobra, que somente poderia ser criada para fins comerciais, no caso de instituições farmacêuticas, ou com intuito de conservação, ou seja, quando o animal não pode voltar à natureza. Para isso, o responsável precisa ter autorização emitida por órgão ambiental estadual e seguir regras para a criação, como mantê-la em local apropriado.

Assim que o animal for localizado, o Ibama emitirá multa, que pode variar entre R$ 500 e R$ 5 mil, e ser aplicada ao criador ou ao proprietário da residência onde permanecia. O órgão fará uma consulta às instituições habilitadas quanto ao interesse em receber a cobra, como zoológico e institutos de pesquisa.

O Ibama acrescenta que a Polícia Civil também atua no caso.”

Últimas notícias