Clima de deserto: umidade cai a 8% e temperatura bate 34,2º no DF

De acordo com o Inmet, capital do país está sob efeito de uma forte massa de ar seco que deve permanecer por pelo menos mais sete dias

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 04/09/2019 16:43

A temperatura e a umidade relativa do ar bateram recorde nesta quarta-feira (04/09/2019) no Distrito Federal. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), os termômetros marcaram 34,2º durante a tarde. Já a umidade caiu para 8%, a mais baixa de 2019. Os índices foram registrados no Gama.

De acordo com o Inmet, a capital do país está sob efeito de uma forte massa de ar seco que deve permanecer por pelo menos mais sete dias. O DF enfrenta 93 dias sem chuvas. As precipitações devem retornar paulatinamente e de forma isolada somente a partir da segunda quinzena deste mês.

Queimadas

Com o tempo seco e quente, os incêndios na capital do país se disseminam. O Corpo de Bombeiros foi acionado para apagar duas queimadas florestais na tarde desta quarta-feira (04/09/2019). Uma delas destruiu parte da vegetação próximo ao Aeroporto Internacional de Brasília. A fumaça chegou perto das pistas de pouso e decolagem, mas, segundo a Inframérica, não afetou a operação no terminal.

Outro foi registrado próximo ao Catetinho, no Gama. Imagens aéreas feitas do helicóptero da corporação mostram uma extensa área em chamas.

Assista:

De acordo com o meteorologista Olívio Bahia, os brasilienses vão enfrentar temperaturas elevadas e pouca presença de vapor d’água na atmosfera até meados deste mês, quando as primeiras chuvas devem começar a cair, ainda com pouca força. “Com três meses sem precipitações, o ar fica poluído e aumenta o desconforto humano”, explica o especialista.

O Inmet alerta que taxas tão baixas podem provocar ressecamento de pele e desconforto nos olhos, boca e nariz.

Igo Estrela/Metrópoles
Sem chuvas há 93 dias, brasilienses enfrentam tempo seco e quente
Recomendações

As principais recomendações da Defesa Civil são evitar a prática de atividades ao ar livre no período das 10h às 17h, aumentar a ingestão de líquidos, não tomar banhos prolongados com água quente e muito sabonete, descartar o uso excessivo de ar-condicionado e usar protetor solar. Crianças e idosos precisam de atenção especial, pois são os mais afetados.

Secretaria de Segurança Pública/Reprodução
Fique atento!

Entre 21% e 30% (estado de atenção)

  • Evitar exercícios físicos ao ar livre entre 11h e 15h;
  • Umidificar o ambiente por meio de vaporizadores, toalhas molhadas e recipientes com água;
  • Consumir água à vontade.

Entre 12% e 20% (estado de alerta)

  • Observar as recomendações do estado de atenção;
  • Suprimir exercícios físicos e trabalhos ao ar livre entre 10h e 17h;
  • Evitar aglomerações em ambientes fechados;
  • Usar soro fisiológico nos olhos e nas narinas.

Abaixo de 12% (estado de emergência)

  • Observar as recomendações para os estados de atenção e de alerta;
  • Interromper qualquer atividade ao ar livre entre 10h e 16h, como aulas de educação física, coleta de lixo, entrega de correspondência, etc;
  • Durante as tardes, manter os ambientes internos úmidos, principalmente quartos de crianças, hospitais, etc.

Últimas notícias