Chacina no DF: corpos encontrados em carro carbonizado são de Renata e Gabriela

Renata Juliene Belchior, 52 anos, e Gabriela Belchior, 25, foram encontradas mortas no interior de um veículo em Unaí (MG), no dia 14/1

atualizado 24/01/2023 18:08

Cahcina Renata Juliene Belchior, de 52 anos, e Gabriela Belchior de Oliveira, de 25 anos - Metrópoles Reprodução

Os corpos encontrados carbonizados em um carro na BR-251 na cidade de Unaí (MG), em 14/1, são de Renata Juliene Belchior, 52 anos, e Gabriela Belchior de Oliveira, 25, respectivamente, esposa e filha de Marcos Antônio Lopes de Oliveira, 54.

Com isso, agora, passam a ser nove mortes entre as 10 pessoas de uma mesma família que desapareceram no Distrito Federal. A informação, adiantada pelo Metrópoles, foi confirmada em coletiva de imprensa pela médica-legista e diretora do Instituto Médico Legal (IML) de Belo Horizonte (MG), Naray Jesimar Aparecida Paulino.

Mantidas em cativeiro

Renata e Gabriela são as duas vítimas que foram mantidas por duas semanas num cativeiro em Planaltina. Segundo o depoimento de Fabrício Silva Canhedo, 34, um dos presos, elas ficavam vendadas e amarradas.

Fabrício relatou ter recebido R$ 2 mil pelo serviço. Ele disse que fazia comida, vigiava e levava as vítimas ao banheiro, mas voltava à noite para casa.

Ainda de acordo com o vendedor, Gideon e Horácio Barbosa, os outros suspeitos pelo crime, ficavam no cativeiro e dormiam no local. Os dois falavam com pessoas ao telefone, dizendo que estava tudo certo, mas Fabrício disse não saber quem era do outro lado da ligação.

No depoimento Fabrício afirmou ter ficado por duas semanas cuidando de Renata e Gabriela no cativeiro. O documento não esclarece mais detalhes, mas reportagem anterior do Metrópoles mostrou que os criminosos usavam os celulares das vítimas se passando por elas e dando uma falsa aparência de que estaria tudo bem.

Veja imagens do cativeiro:

 

Mais lidas
Últimas notícias