Casos de dengue sobem de 1.419 para 7.010 em um mês no DF

Secretaria de Saúde pede a ajuda da população e diz que, com o período de chuvas, registros devem aumentar nos próximos meses

atualizado 06/03/2020 11:32

O Distrito Federal registrou 7.010 casos prováveis de dengue até o fim de fevereiro deste ano. Do total, 6.405 são de residentes da cidade e 605 de outros estados. Os dados foram informados pela Secretaria de Saúde do DF (SES-DF) em coletiva de imprensa na manhã desta sexta-feira (06/03).

Em janeiro, foram registrados pela pasta 1.419 casos prováveis da doença, com um óbito — do total, 1.296 eram moradores do DF. Isso significa, portanto, que a capital federal teve, em fevereiro, 5.591 registros a mais.

Segundo o último Boletim Epidemiológico disponibilizado pela pasta, houve um aumento de 160% no número de casos prováveis de 2020 quando comparado ao mesmo período de 2019.

Casos por região

A região de saúde Sudoeste, que abrange Taguatinga, Samambaia, Vicente Pires e Recanto das Emas, teve o maior número de casos prováveis, com 1.247 registros. Em seguida, a região Norte, com 1.217 ocorrências em Planaltina e Sobradinho. Em terceiro lugar ficou a Sul, com 965 registros no Gama e em Santa Maria. As três regiões de saúde totalizam 53,38% dos casos do DF até fevereiro deste ano.

O aumento pode ser observado em todos os grupos etários, com destaque para a faixa etária de 20 a 29 anos, que subiu de 174 para 287 casos prováveis, em comparação ao mesmo período do ano passado. Depois, os da faixa etária entre os 30 e 39 anos, que aumentou de 164 para 254 casos prováveis.

Do total, os casos graves subiram de três para seis, em comparação com o último Boletim Epidemiológico divulgado pela Secretaria de Saúde. Já as ocorrências com sinais de alarme aumentaram de 70 para 127 registros.

Tendas de acolhimento

A SES-DF instalou oito tendas de acolhimento para pacientes com suspeita de dengue, localizadas em Planaltina, Guará, Taguatinga, Gama, Paranoá, Brasilândia, Asa Norte e Sol Nascente. Nelas, 2.397 pessoas foram atendidas, no período de 19 de fevereiro a 2 de março — uma média de 188 por dia.

A pasta também cedeu outras duas tenas de acolhimento para cidades do Entorno do DF, a fim de atender casos suspeitos em Valparaíso de Goiás e no Novo Gama. O pedido foi feito pelos prefeitos dos dois municípios e autorizado pelo governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB).

Segundo Ricardo Tavares Mendes, secretário adjunto de Assistência à Saúde, a região sul é onde há maior procura pelas salas de acolhimento, com 848 atendimentos feitos neste período. “Notamos que as pessoas que estão procurando mais não são pacientes do Distrito Federal, mas de Valparaíso e do Novo Gama, cidades que estão com muitos casos”, disse.

“A dengue é uma luta continua. Não adianta o governo fazer todas as ações se não estivermos todos unidos. O cidadão também precisa ter as suas ações. Fazer uma varredura em casa, tirar água parada de tampinhas, virar a casca do ovo para baixo. Precisamos conscientizar a população, que precisa trabalhar junto”, destacou.

Ainda de acordo com o secretário adjunto, a tendência é de que o número de casos de dengue aumente por conta do período de chuva e altas temperaturas na região. “A gente está em um período de sazonalidade, no qual há a tendência de subir. Então, é esperado um número ainda maior de casos”, afirmou.

Os sintomas da dengue são: febre superior a 38,5°C, dores musculares intensas, dor ao movimentar os olhos, mal-estar, falta de apetite, dor de cabeça e manchas vermelhas no corpo.

Em caso de identificação de focos do mosquito, acione a Vigilância Ambiental pelo telefone 160.

Últimas notícias