Casos de dengue aumentam e doença mata uma pessoa no DF este ano

Secretaria de Saúde informa que número de ocorrências subiu de 704 para 1.296, na comparação entre janeiro de 2019 e o mesmo mês de 2020

atualizado 31/01/2020 12:56

Pixabay/Divulgação

Depois que o governo do Distrito Federal (GDF) decretou emergência por risco de dengue, medidas começaram a ser tomadas. Entretanto, os números indicam que o problema já é bastante crítico na capital. A quantidade de casos subiu de 704 para 1.296 na comparação entre janeiro de 2019 e o mesmo período de 2020.

Os dados foram apresentados durante coletiva da Secretaria de Saúde, na manhã desta sexta-feira (31/01/2020). E mostraram que, em 2020, foram 27 sinais de alarme, três casos graves e uma morte, na região Centro-Sul do DF, mais exatamente no Guará. A vítima tinha 60 anos. Já em janeiro de 2019, houve 18 casos com sinais de alarme, um grave e nenhum óbito em 2019.

A região considerada mais crítica é a Norte, sendo que a Fercal aparece como a cidade mais vulnerável, seguida de Sobradinho. A pasta fará balanços mensais sobre a situação da dengue no DF.

De acordo com o órgão, a doença está atingindo, principalmente, a população de jovens adultos — ou seja, jovens trabalhadores.

Em 2020, ocorreram 45 isolamentos do vírus — 40 da versão menos agressiva e cinco da cepa mais grave. Entretanto, de acordo com os integrantes da secretaria presentes à coletiva, todos os hospitais e unidades básicas de saúde estão preparados para tratar pacientes. Há, por exemplo, salas de hidratação para casos mais graves em diferentes pontos do DF.

A Secretaria de Saúde alegou que 2019 foi um ano atípico, incluindo o surgimento de uma nova cepa do vírus da dengue. Todos os números citados são de vítimas residentes na capital. Em um mês do ano anterior, se forem considerados os números totais — pacientes do DF e de outras unidades da federação registrados na rede pública brasiliense —, houve 1.419 casos registrados, sendo que 91,3% se referem a moradores da cidade.

Combate

Os números assustadores vieram acompanhados da apresentação da promessa de se intensificar as ações de prevenção e combate à dengue com outros órgãos, como SLU, Secretaria das Cidades e Corpo de Bombeiros.

A ideia é antecipar as respostas para a contenção da doença. A pasta destacou que os 600 servidores temporários novos serão contratados e devem começar a trabalhar ainda em fevereiro.

“Janeiro já é um mês de sazonalidade (da dengue). É esperado que a gente tenho um aumento no número de casos. Este ano, temos mais chuva comparado com o período do mês passado”, justificou o secretário adjunto de Assistência à Saúde, Ricardo Tavares Mendes.

Tavares destacou a necessidade do engajamento da população nas ações de prevenção: “Se o GDF fizer todas as ações, mas a população não colaborar, a dengue vai vencer a guerra no DF”.

O combate à doença é necessário, principalmente, para proteger a capital de outros males, como a chikungunya.

A Secretaria da Saúde divide o Distrito Federal em sete regiões: Sudoeste (Taguatinga, Vicente Pires, Águas Claras, Recanto das Emas e Samambaia), Oeste (Ceilândia e Brazlândia), Leste (Lago Sul, Paranoá, Itapoã, São Sebastião e Jardim Botânico), Sul (Gama e Santa Maria
Região Norte: Planaltina, Sobradinho, Sobradinho II e Fercal), Centro-Sul (Candangolândia, Estrutural, Guará, Park Way, Núcleo Bandeirante, Riacho Fundo I e II, SIA e SCIA), e Central (Asa Norte, Lago Norte, Varjão, Cruzeiro, Sudoeste, Octogonal, Asa Sul).

Números em 2019

A dengue matou 62 pessoas em 2019, segundo dados do informativo Epidemiológico divulgados pela Subsecretaria de Vigilância à Saúde em 17 de janeiro passado. Ainda de acordo com o documento, em 2018 foram apenas dois óbitos.

O aumento percentual é de 3.000%. Trata-se do maior número de mortes na história do DF, batendo o recorde de 2015, quando 38 brasilienses perderam a vida por causa da doença.

As notificações cresceram em número alarmante em 2019 em relação a 2018: subiram de 4.075, em 2018, para 50.449 no ano passado: uma variação de 1.138%. Desse total, 898 casos da doença foram confirmados.

Dicas no combate à dengue:

  • Limpe com escova e sabão os locais escolhidos para o armazenamento de água e vasilhas usadas como bebedouros para animais domésticos;
  • Os recipientes para armazenamento de água deverão ser fechados com as tampas originais ou com uma tela de trama [mosquiteiro] pequena ou tecidos de tramas fechadas, de forma a evitar o acesso do mosquito;
  • As caixas d’água devem passar por limpeza regular, permanecendo sempre bem fechadas.

Últimas notícias