Após surto de Covid-19, Caesb institui teletrabalho para funcionários

O novo regime começa a valer a partir de segunda-feira. No momento, 13% dos funcionários da estatal estão infectados

atualizado 12/03/2021 22:17

fachada caesbMichael Melo/Metrópoles

Após a coluna Grande Angular ter revelado que 300 empregados foram infectados com a Covid-19, a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) anunciou a implementação do teletrabalho nesta quinta-feira (11/3). O novo regime começa a valer a partir de segunda-feira (15/3).

Um comunicado da diretoria da empresa direcionado aos funcionários estabeleceu também o revezamento das equipes da estatal.

“O regime de teletrabalho será em caráter excepcional e provisório, dada a atual situação de emergência em saúde pública e pandemia do novo coronavírus“, afirma o texto.

No momento, a companhia tem aproximadamente 13% do seu quadro de servidores contaminados com a Covid-19. A continuidade do trabalho presencial assustou funcionários e preocupou dirigentes, devido ao risco de uma redução importante da força de trabalho em função da quantidade de afastamentos e atestados médicos.

O comunicado desta quinta lembra que a Caesb presta um serviço essencial, fornecer água à população, e por isso não pode parar. Assim, funcionários e estagiários da companhia ficarão de sobreaviso para convocação do trabalho presencial.

Enquanto isso, a empresa continuará prestando os serviços com o revezamento das equipes na sede principal, nos escritórios regionais, no Centro de Controle Operacional, nas estações de tratamento de água e esgoto, nos laboratórios e nas obras da estatal.

Por fim, o comunicado orienta os funcionários diagnosticados com Covid-19 que não compareçam para a realização de perícia médica, e que se apresentem à Medicina do Trabalho após o período de quarentena estipulado, com agendamento prévio.

Veja o comunicado: 

Comunicado da Caesb institui teletrabalho by Metropoles on Scribd

Cobrança

Uma reunião na sede da estatal, organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Purificação e Distribuição de Água e em Serviços de Esgotos do Distrito Federal (Sindágua-DF), na última quarta-feira (10/3), discutiu a pandemia.

O diretor da Secretaria de Assuntos Jurídicos do Sindágua-DF, Rodrigo Rocha, disse à Grande Angular que o primeiro decreto do GDF contemplou a Caesb com o teletrabalho, o que não ocorreu no segundo documento.

“O Sindágua tem se reunido com a direção da empresa cobrando que sejam adotadas medidas que garantam a segurança dos trabalhadores e também de todos os mais de 2 mil empregados terceirizados que prestam serviços para a Caesb”, pontuou.

Segundo o sindicalista, a reunião respeitou o distanciamento social e debateu “medidas de segurança cobradas da empresa na questão do teletrabalho, a implantação de escala de revezamento para as equipes de manutenção, distribuição de álcool em gel e EPIs”.

0

Últimas notícias