Conteúdo especial

Entenda como o novo ensino médio amplia chances de emprego para jovens

Alunos poderão cursar disciplinas comuns e montar 40% da grade curricular destinada à formação técnica – de acordo com as próprias aptidões

atualizado 02/07/2021 20:02

Aos poucos, o novo ensino médio, criado durante o governo Temer e que visa implementar, até 2022, um novo modelo de ensino para as redes públicas e privadas, começa a ganhar forma no país. A proposta coloca o estudante como o protagonista da própria vida escolar e dos rumos que pretende dar à vida profissional. A reforma propõe que os jovens sigam uma formação que levam em consideração o currículo baseado na Base Nacional Comum Curricular (BNCC). A ideia é exemplificar os conhecimentos essenciais, competências e habilidades para cada etapa da educação básica.

Pela mudançla, serão oferecidas quatro áreas do conhecimento aos alunos: Matemáticas e suas Tecnologias; Linguagens e suas Tecnologias; Ciências da Natureza e suas Tecnologias; e Ciências Humanas e Sociais Aplicadas. Essa parte corresponderá a 60% da carga horária total. Os outros 40% poderão ser compostos pelos próprios alunos para aprofundar a formação técnica em uma ou mais áreas baseado nos próprios interesses e aptidões.

No modelo vigente no Brasil, o ensino médio busca somente capacitar estudantes a ingressarem na universidade, fazendo com que essa seja a principal expectativa em relação ao desenvolvimento profissional. No entanto, segundo Gustavo Leal, diretor de Operações do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), o problema é que nem 80% dos jovens ingressam no ensino superior e ainda por cima não saem das escolas preparados para o mercado de trabalho.

Entre outras coisas, a reformulação no ensino médio foi pensada para estancar a evasão e a queda nos índices de aprendizagem nessa etapa, considerada a mais desafiadora da educação básica, além de torná-la mais atrativa aos jovens.

“Acredito que é um grande avanço, pois vai permitir novas alternativas de formação aos nossos estudantes”, diz Maria Helena Guimarães, presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE). No entanto, o Ministério da Educação ainda precisa publicar o cronograma para definir a nova matriz de avaliação da BNCC, assim  como as informações sobre o novo formato previsto para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que deve valer a partir de 2024.

Desafios

Professor por 13 anos na periferia de Goiânia, Wisley Pereira é hoje gerente-executivo de Educação Básica do Sesi. Segundo ele, uma das maiores “dores” do ensino médio era que os alunos não se sentiam pertencentes a esta etapa de ensino. “Parece que não tinha sido dialogado para eles”, diz. Ele entende que no novo modelo de ensino médio, com maior foco em habilidades específicas, cada aluno consegue desenvolver seus próprios talentos. “Temos que valorizar o estudante como empreendedor do seu próprio conhecimento”, conclui.

Na avaliação de Pereira, para promover mudanças efetivas no ensino médio, bem como com a juventude, é preciso investir em formação continuada dos professores, bem como capacitá-los diante da nova realidade curricular; aproveitar melhor a capacidade instalada no país, com parcerias entre instituições de ensino; avançar na adequação do Enem e outras avaliações externas; e por fim, reformular os materiais didáticos para que eles dialoguem com o novo modelo de ensino médio.

De forma inédita, o Senai/Sesi estão utilizando, desde o ano passado, um material escolar autoral, atendendo todas as etapas da educação básica, além do ensino de jovens e adultos. “São mais de 120 mil estudantes e oito mil professores”, comenta Pereira. O material didático ainda é inicial, pois após o primeiro ano de testes, ele será adaptado às mudanças propostas pelos professores. Atualmente, eles têm acesso a uma plataforma em que podem colocar comentários e fazer críticas para melhorar o conteúdo dos livros.

Pioneirismo

Atuando de forma piloto, o Serviço Social da Indústria (Sesi) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) formaram, em dezembro de 2020, 198 estudantes de cinco estados seguindo as orientação propostas pelo novo ensino médio. Iniciadas em 2018, as turmas foram pioneiras em um projeto educacional oferecido pelas instituições, que utilizam um modelo de 3 mil horas, conforme estabelece a lei, unindo o ensino regular à formação técnica e profissional, presente no itinerário cinco.

senai sesi estudantes

A ideia desse itinerário de formação técnica e profissional adotado no Sesi é preparar o aluno para os desafios atuais do mercado de trabalho, com competências ligadas à indústria do futuro, o que contribui para a maior empregabilidade dos jovens, o aumento da capacidade inovativa das empresas, a produtividade e a economia do país.

Na prática, a experiência do Sesi/Senai funcionou da seguinte forma:

  • No primeiro ano, o aluno recebeu 800 horas de ensino regular, da BNCC, além de 200 horas dentro do itinerário cinco. Nesse primeiro momento, o estudante tomou conhecimento dos diferentes setores industriais, bem como das oportunidades oferecidas pelo mercado. A partir daí, com o auxílio de professores, ele pode mapear as próprias potencialidades e possibilidades de carreira.
  • No segundo ano, o estudante teve 600 horas de BNCC e mais 400 horas do itinerário cinco. Diante da escolha da área de interesse, ele pode se aprofundar nas disciplinas relacionadas.
  • Por fim, no terceiro ano, o aluno recebeu 400 horas de BNCC e outras 600 horas de formação profissionalizante. Ao encerrar o último ano do ensino médio, ele teve a oportunidade de escolher a especialização técnica que desejaria seguir.

O grande diferencial desse formato é que o concluinte recebe dois diplomas. Gustavo Leal, do Senais defende que o modelo cria uma série de oportunidades aos jovens. “Não é uma concorrência com a universidade. O jovem pode ingressar no mercado de trabalho ou optar por ir para o ensino superior”, explica.

Experiência do exterior

Levantamento realizado em 2020 pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) aponta que o Brasil tem apenas 11% dos alunos do ensino médio na educação profissional e tecnológica, enquanto a média dos outros países pesquisados corresponde a 41%.

Segundo Ana Inoue, superintendente do Itaú Educação e Trabalho, durante décadas o país não enxergou a educação profissional como algo estratégico para o projeto de desenvolvimento do Brasil. Para ela, apesar de haver ofertas pontuais, ainda não há a consolidação de modelos de governança que entendam o modelo como relevante.

A especialista explica que em nações como Austrália, Canadá e Estados Unidos existe uma proposta ampla sobre a formação do jovem para o mundo do trabalho. Além disso, há uma cooperação maior entre o setor produtivo e a formação profissional oferecida para que as escolhas disponíveis sejam proveitosas para os jovens e para o mercado.

“Estamos vivendo um momento fértil, de muitas mudanças. Temos que fazer algo que esteja à altura dos jovens do país”, sinaliza. Com a discussão sobre os novos parâmetros do ensino médio nos conselhos de educação estaduais, os secretários têm se debruçado na escolha dos cursos técnicos, por exemplo.

Conforme indica a Lei de Diretrizes e Base da Educação (LDB), cabe às secretárias estaduais de Educação, a responsabilidade de implementar as mudanças no ensino médio, já que 88% das matrículas hoje é dos estados. No caso dos cursos do itinerário cinco ofertados pelo Sistema S, o diretor de Operações Gustavo Leal explica que há uma concordância com as indústrias locais para entender e ofertar cursos que atendam os gargalos atuais e previstos para do setor produtivo.

Trajetória de sucesso

Dos 198 estudantes que se formaram no projeto do novo ensino médio pelo Sesi e Senai, 40 são de Alagoas; 51 da Bahia; 20 do Ceará; 57 do Espírito Santo; e 30 de Goiás. Entre os alunos que ingressaram gratuitamente nas primeiras turmas, 81,5% vieram de escolas públicas, 87% são da classe D e 13% são da classe C.

Kettlen_Sesi
Kettlen Lima, de 17 anos: teoria e prática juntas

Uma delas é Kettlen Caroline Rocha Lima de Abreu, 17 anos, moradora de Jacintinho, bairro popular de Maceió. Segundo ela, um dos maiores diferenciais foram as áreas de conhecimento ministradas que possibilitaram trabalhar o conteúdo de forma interdisciplinar. “A teoria acompanhada da prática é um ponto bastante trabalhado em sala de aula – e, também, fora dela. Isso instiga e aproximando os alunos, que participam de forma ativa das aulas”, comenta.

Formada em Eletrotécnica, ao concluir o 3º ano duplo, ela foi aprovada na Universidade Federal de Alagoas (UFAL) para o curso de Engenharia Ambiental e Sanitária. “O ensino profissionalizante abriu horizontes para novas experiências. Mudou minha forma de pensar sobre diversos aspectos, como os que são relacionados aos meus objetivos profissionais futuros”, diz.

Ivo_Sesi
Ivo Cidrão, de 18 anos: preparação para o novo mercado de trabalho

A experiência deixou Ivo Fábio de Sousa Cidrão, 18 anos, bem mais seguro para ingressar no mercado de trabalho. Morador de Cascavel, região metropolitana de Fortaleza (CE), o jovem percorria 120 km todos os dias para estudar no Sesi e fazer o curso de manutenção de máquinas e equipamentos no Senai.

Atualmente, ele trabalha com eletrotécnica em uma indústria local. “Devo muito a forma como o Senai nos transmitiu todos os conhecimentos. Durante os estudos, a preparação e o treinamento foram muito parecidos com o que iríamos enfrentar no mercado de trabalho”, relembra Ivo, que também foi aprovado para o curso de engenharia de alimentos na Universidade Federal do Ceará (UFC).

Após a experiência de sucesso, o Sesi ampliou a oferta do novo ensino médio e abriu turmas em 87 escolas de 23 estados, atendendo 10,4 mil alunos. Segundo Gustavo Leal, o Sesi/Senai podem ajudar as redes no processo de implantação. “Queremos trabalhar junto com as secretarias e desenvolver parcerias em territórios onde haja demanda por cursos industriais”, conclui.

Webinar

Para discutir o novo ensino médio e as tendências de carreiras que serão exigidas pelo mercado de trabalho e a indústria 4.0, o Metrópoles e o Senai realizam, em 6 de julho, a partir das 10h, um webinar com especialistas e autoridades no assunto.

Entre os convidados estão: Marcelo Ramos, deputado federal (PL-AM); Rafael Lucchesi, Diretor de Educação e Tecnologia da CNI, diretor-geral do Senai e diretor-superintendente do Sesi; Claudia Costin, membro da Comissão Global sobre Futuro do Trabalho da OIT; e Simon Schwartzman, ex-presidente do IBGE e membro da Academia Brasileira de Ciências.

A live será transmitida pelas redes sociais do Metrópoles (Facebook e Youtube) e no Youtube do Senai. Não é necessário a inscrição e a participação é gratuita.