Dilema de fim de ano: estudar ou participar das festas?

Comemorações dividem atenção e emoções dos candidatos. Saiba o que fazer diante das festividades e dos concursos que virão

atualizado 02/01/2020 19:02

As festividades nessa época do ano deixam os candidatos confusos sobre as prioridades e como manter a rotina de estudos produtiva.

O dilema entre estudar ou dar atenção às confraternizações pode ser resolvido com a avaliação de alguns aspectos que precisam ser considerados, como ter ou não provas agendadas e o quanto é relevante estar com a família e os amigos.

Excluir a si mesmo desses momentos pode ser prejudicial para para saúde emocional, como explica a psicóloga Camila Wolf.

“É preciso pensar no ser humano como um todo, lembrar da relevância do bem-estar e da saúde emocional. Assim como o estudo é uma parte da vida, estar com quem a gente ama também é importante. Abrir mão é correr o risco de sobrecarregar as emoções e gerar um sentimento de culpa desnecessário”, afirma.

A terapeuta, criadora do aplicativo Querida Ansiedade, explica os impactos dessa exclusão. “Se a pessoa não se permite ter momentos de descanso e lazer, vai acumulando estresse e ansiedade, o que prejudica a saúde mental e, consequentemente, provoca a queda no desempenho de aprendizagem, o que não é desejado”.

A recomendação é manter o equilíbrio entre a vida pessoal e os estudos. Na prática, conseguir dividir o tempo entre as duas situações e, para isso, algumas dicas da coluna Vaga Garantida podem ajudar:

Dica 1: confira o calendário

Nesse momento, há dois grupos de concurseiros: os que têm provas previstas e quem não sabe quando será avaliado. A reta final exige mais dedicação, e abrir mão de muito tempo pode afetar diretamente na competitividade.

O que não quer dizer não fazer parte das comemorações, mas entender que há limitações e que elas são momentâneas.

Em contrapartida, quem está estudando com antecedência, sem prova ou até edital lançado, não tem a real necessidade de criar um peso extra à preparação abrindo mão desses dias sem estudar ou diminuindo o ritmo.

Dica 2: antecipe os estudos

Aumentar a carga de estudo antecipadamente ajuda na sensação de conforto e agiliza o cronograma para aproveitar as festividades. Se não for possível, criar um plano de ação para depois da virada colabora com a retomada do ritmo depois da quebra da rotina.

Dica 3: assuma a decisão tomada

Manter-se indeciso e não assumir uma posição clara são o pior caminho. Alguns viajam e levam seus materiais, mesmo sabendo que não haverá tempo hábil para estudar. Essa atitude é um exemplo de auto ilusão e gera um grande prejuízo emocional.

De igual maneira, ficar no quarto, estudando sem concentração, enquanto a família está na sala confraternização, não é nada produtivo.

Dica 4: busque alternativas

Se a programação implicar em ter mais pessoas em casa e também mais barulho, encontrar um lugar mais calmo e silencioso pode ser recomendado, como uma sala de estudos ou uma biblioteca.

Se não for possível, as atividades que demandam mais atenção e foco devem ser evitadas. Pode ser uma boa época para fazer mais questões, montar e resolver simulados, organizar os materiais e o ambiente de estudo.

Dica 5: lide com os comentários com confiança

Encontrar familiares e lidar com comentários pode ser um desafio extra. A psicóloga Camila Wolf sugere uma reflexão: nem sempre as falas são de cobrança, mas interpretados assim. “Pode ser uma demonstração de carinho, preocupação e não uma cobrança”, diz.

Para se blindar do incômodo, a sugestão é agir com autoconfiança e coragem. Afinal, poucas pessoas conseguem entender o que se passa na cabeça e no coração de um concurseiro.

Com as recomendações da psicóloga e as dicas da coluna será bem mais fácil passar por essa época com mais tranquilidade e leveza, mantendo o direcionamento rumo ao objetivo de ser um servidor público.

Últimas notícias