Aprenda como ter mais tempo para estudar

Mudanças na organização e planejamento da rotina simplificam processos e aumentam disponibilidade de horas para revisar disciplinas

Hugo Barreto/MetrópolesHugo Barreto/Metrópoles

atualizado 03/08/2019 15:08

A falta de tempo é uma das reclamações mais recorrentes dos concurseiros. Com uma rotina cheia de atividades e de responsabilidades, tem sido cada vez mais difícil encontrar horas a mais para os estudos. Qualquer minuto pode representar a diferença entre ser aprovado ou não.

Como as 24 horas são sempre as mesmas, brigar com o relógio não gera qualquer resultado positivo. Por outro lado, fazer novas escolhas em prol da organização e do planejamento aumentam o aproveitamento do tempo disponível em quantidade e em qualidade.

Quando decisões estratégicas são tomadas antecipadamente, o ganho é imediato. Para transformar a teoria em prática, não é preciso nenhuma manobra mirabolante ou complexa. O princípio anda exatamente na direção oposta: quanto mais simples for o passo dado, mais impacto terá.

A coluna Vaga Garantida lista seis práticas de organização, de planejamento e de atitudes que ajudam os concurseiros. Confira:

1 – Rotina noturna

A noite anterior determina o que será possível ou não ser feito nos primeiros acontecimentos da manhã. Separar a roupa que será usada – do trabalho ou da academia –, escolher o café da manhã e arrumar o que será levado de casa para o trabalho ou faculdade leva apenas poucos minutos. Quando isso é feito tranquilamente antes de dormir, evita atrasos e transtornos ao acordar.

2 – Decisões semanais

Adiantar escolhas diárias exige menos esforço e, por consequência, menos gasto de energia e tempo. A medida vale tanto para o cardápio das principais refeições, a limpeza da casa, a lista de compras do mercado e as roupas para as atividades centrais.

Determinar os espaços na agenda para atividades pontuais, como uma consulta médica ou uma festa de aniversário, ajudam a entender como, além da rotina, há espaços para os estudos a cada semana. A prática colabora para negociações a fim de usar melhor a grade de estudos.

3 – Interrupções evitadas

Desativar as notificações e apagar aplicativos desnecessários do celular, ter o hábito de mantê-lo no silencioso ou até no modo avião são deliberações recomendadas não só para quando se está estudando. O costume de interagir constantemente com o celular gera ansiedade quando há privação das funcionalidades do aparelho.

Além disso, a alternância de atenção demanda muito mais energia na execução de qualquer tarefa do que uma dedicação integral, seja no trabalho ou na faculdade. O resultado é o cansaço maior no fim do dia e menos disposição para os estudos.

4 – Blocos de atividades

Separar a resolução de tarefas rotineiras em blocos sem interrupções potencializa a otimização do tempo, aumentando a produtividade. Vale para arrumação da casa, elaboração de um relatório, respostas de e-mails e de mensagens. Melhores são os efeitos quando têm horário e duração definidos.

Ao definir como usar essa resolução, é importante criar canais de comunicação para emergências e urgências. Assim, a mente fica mais tranquila sobre o que pode acontecer além do previsto e esperado e direciona melhor o foco.

5 – Paradas estratégicas

Entre os blocos de atividades é recomendável ter paradas estratégicas, seja para mudar a rota do foco, seja para quebrar o padrão emocional das situações. Quando se está agitado e quer tranquilizar as atividades cerebrais, meditações de curta duração focadas na respiração são indicadas. Do contrário, quando se quer aumentar o entusiasmo – e até espantar o sono – ouvir músicas animadas do estilo que gosta podem ajudar.

Se as interrupções e os momentos de concentração estiverem sendo respeitados, as pausas devem ocorrer entre 30 minutos e duas horas, a depender do tipo de empreitada. O prazo de cada uma também pode variar de cinco minutos a meia hora ou, ainda, coincidir com horários de refeições.

6 – Material organizado

É muito desgastante e oneroso para a gestão de tempo e para as emoções procurar algum material ou documento quando se precisa dele e não saber rapidamente onde está. Por isso, papéis, livros, arquivos, pastas – físicas ou digitais – dos conteúdos, folhas e cadernos de anotações devem ter os seus devidos lugares.

De igual maneira os links e dados de acesso de cursos preparatórios, sites de bancas organizadoras, de dicas e de questões devem estar reunidos, seja salvando no navegador de internet ou em um arquivo em separado. Com tudo em ordem será fácil separar os materiais necessários para cada dia de estudo e realizar buscas e pesquisas.

Fazer com que as dicas apresentadas funcionem e garantam os benefícios propostos requer mudança de postura e reserva de períodos na agenda para organização e planejamento. A princípio, a falta de costume pode gerar maior gasto de tempo que com a repetição se torna automatizado, como todo hábito.

 

SOBRE O AUTOR
Letícia Nobre

Jornalista especializada em concursos há mais de 10 anos. Desde 2012, ajuda candidatos de todo o país a lidar não só com suas emoções, mas também com o processo de organização, produtividade e aprendizagem usando técnicas de coaching.

Últimas notícias