Um olhar atento sobre o poder. Notícias exclusivas, bastidores e investigação

Crise entre poderes: Fux quer chamar Bolsonaro para encontro no STF

Convite será feito em breve. A ideia é que Bolsonaro vá até o tribunal

atualizado 16/06/2022 11:45

Igo Estrela/Metrópoles

Luiz Fux quer convidar Jair Bolsonaro para um encontro na sede do Supremo Tribunal Federal, em mais uma tentativa de arrefecer a crise entre os dois poderes.

O plano do presidente do STF estava pronto para ser posto em prática na semana passada, mas declarações do presidente da República contra integrantes do tribunal o fizeram adiar o convite.

Fux entende que não seria conveniente receber Bolsonaro agora, no calor dos últimos ataques, porque o gesto poderia melindrar os colegas alvejados. De todo modo, ele não quer demorar. Segundo interlocutores, a ideia é aguardar o ambiente desanuviar um pouco para fazer o convite formal.

Na semana passada, Bolsonaro chamou o ministro Luís Roberto Barroso de “mau-caráter” e “mentiroso” e disse que Alexandre de Moraes age contra a democracia ao perseguir e censurar seus aliados políticos.

Dias atrás, voltou à carga ao afirmar que Moraes descumpriu um acordo firmado com ele que previa o arquivamento do polêmico inquérito das fake news.

Fux amadureceu o desejo de convidar Jair Bolsonaro depois de participar, no início do mês, de um jantar oferecido pela ministra Cármen Lúcia a um grupo de sete senadores de diferentes partidos.

Na ocasião, o ministro foi aconselhado a se manter minimamente próximo de Bolsonaro, de modo a tatear o ânimo do presidente e a sua disposição de rejeitar o resultado das eleições de outubro em caso de derrota – a parte principal da conversa girou em torno do risco de o atual ocupante do Palácio do Planalto aplicar um golpe para permanecer no poder.

Para Fux, a reunião precisa ser realizada bem antes de 7 de setembro, quando manifestantes pró-Bolsonaro pretendem realizar manifestações em Brasília e em outras cidades.

Como publicou a coluna, o presidente do STF avalia que, antes de se preocupar com o comportamento do presidente no pós-eleições, é preciso redobrar a atenção com o risco de distúrbios sociais e de atos de violência durante os protestos do feriado da Independência.

Ele ordenou que o staff de segurança do tribunal comece a trabalhar, desde já, no planejamento de um esquema especial para proteger a sede da Corte.

Mais lidas
Últimas notícias