Deixe os tabus do lado de fora e pode entrar. Tudo sobre sexo, para você gozar a vida.

Desumanização fetichista: entenda a cultura rubber e o tesão por látex

A Pouca Vergonha traz curiosidades sobre o fetiche por roupas de látex, uma das estéticas mais relacionadas ao universo BDSM

atualizado 06/11/2020 9:27

Fetiche por látexFoto: Anna Efetova/Getty Images

Dentro do universo BDSM, existem os rubberistas – aqueles que têm fetiche por roupas de látex e PVC. A cultura rubber (palavra em inglês para borracha) surgiu nos Estados Unidos e na Europa, entre as décadas de 1970 e 1980. Até hoje, é uma das estéticas mais relacionadas ao fetichismo de uma forma geral.

Rubberistas têm atração sexual não só por usar peças de látex, mas também, em alguns casos, pelas próprias roupas. Dentro do fetiche, valem calças, luvas, botas, máscaras e outros acessórios.

Seja para os amantes assumidos de látex ou para quem está “dando apenas uma olhadinha”, a Pouca Vergonha traz algumas curiosidades sobre a cultura rubber.

Confira:

O catsuit

Dentre todas as vestimentas usadas na cultura rubber, uma das mais famosas e completas é o catsuit (inglês para “macacão”). O traje completo funciona como uma segunda pele sobre-humana, cobrindo totalmente o corpo da pessoa.

A estética rubber

A cultura rubber é baseada em uma estética plástica e surrealista, que (propositalmente) causa estranheza por conta da descaracterização e até mesmo certa dificuldade motora em alguns casos.

Ou seja, uma das coisas às quais o tesão do rubberismo está ligado é à desumanização e à despersonalização do indivíduo que veste as peças.

Látex não é couro

Muita gente confunde o fetiche por roupas de látex com os vestuários de couro – também comuns entre alguns fetichistas. Contudo, se tratam de coisas diferentes. Tanto é assim que a atração pelo tecido está conectada ao brilho, ao toque liso e ao cheiro.

Não tira a roupa!

Em um fetiche em que se dá tanta importância ao vestuário, é de se esperar que o momento em que todo mundo fica completamente nu não chegue. Mesmo quando há sexo, muitos rubberistas optam por não tirar completamente o traje, ficar com alguns acessórios, ou mesmo abrir apenas o espaço das genitálias.

Cama de vácuo

Entre as práticas eróticas dentro da cultura rubber, a cama de vácuo é uma das mais inusitadas e arriscadas. A pessoa é deitada em uma cama com uma manta de látex cobrindo todo o seu corpo. Em seguida, são usados aparelhos específicos para tirar o ar existente entre o corpo e a manta, deixando apenas a forma da pessoa em látex. Por ter alto risco, a técnica costuma ser realizada apenas por especialistas e com equipamentos de segurança.

Cama de vácuo
Cama de vácuo rubberista
Técnicas para vestir o látex

Uma vez que o látex é um material que fica muito justo ao corpo, é de se imaginar que vesti-lo não seria assim tão fácil. Por isso, rubberistas mais experientes costumam ter técnicas para colocar as roupas com maior facilidade e rapidez, como o uso de alguns lubrificantes.

Concursos Mr. Rubber

A cena rubber é tão forte que existem, inclusive, concursos de Mr. Rubber pelo mundo. Dentre eles, um dos mais importantes é o Mr. Rubber International, que acontece nos Estados Unidos. No Brasil, acontece o Mr. Rubber Brasil desde 2019. O primeiro a ganhar o título em terras brasileiras foi o dominador Mestre Marcus.

American Horror Story

O rubberismo esteve presente como um dos principais elementos da primeira temporada da série de terror American Horror Story, com o misterioso The Rubber Man (O Homem de Borracha).

The Rubber Man AHS
Banner primeira temporada American Horror Story

 

Últimas notícias