metropoles.com

Ministério da Defesa passa a ter órgão que “interpreta a Constituição”

Governo aprova regimento interno da Consultoria Jurídica ao Ministério da Defesa. Entre as atribuições, “fixa interpretação da Constituição”

atualizado

Compartilhar notícia

Igo Estrela/Metrópoles
Comandante do Exército general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira diz que Forças Armadas estão prontas para “cumprir missão”
1 de 1 Comandante do Exército general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira diz que Forças Armadas estão prontas para “cumprir missão” - Foto: Igo Estrela/Metrópoles

O governo federal publicou portaria no Diário Oficial que aprova o regimento interno da Consultoria Jurídica Junto ao Ministério da Defesa. O órgão já existia e, agora, passa a ter oficialmente a atribuição de “fixar a interpretação da Constituição”.

Ele tem objetivo de prestar assessoria e consultoria jurídica ao Ministério da Defesa e aos comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica.

O artigo 1º do regimento interno estabelece que o órgão deve “fixar a interpretação da Constituição, das leis, dos tratados e dos demais atos normativos, a ser uniformemente seguida na área de atuação do Ministério quando não houver orientação normativa do Advogado-Geral da União”.

A consultoria jurídica é composta por integrantes da Advocacia-Geral da União e subordinada administrativamente ao ministro da Defesa. Atualmente a pasta é comandada pelo general Paulo Sérgio Nogueira.

Esse tipo de assessoria jurídica já existe, com a mesma finalidade, em outras pastas, como no Ministério da Cidadania e na Educação.

Chama a atenção, contudo, o timing da aprovação do regimento interno do órgão junto ao Ministério da Defesa. O corpo jurídico passa a exercer oficialmente a função de interpretar a Constituição no momento em que Bolsonaro estuda acionar as Forças Armadas para tentar anular o resultado das eleições.

Aliados do presidente veem a publicação no Diário Oficial como tentativa de respaldo legal caso invoque o artigo 142.

Já Associação Nacional dos Advogados da União (Anauni) afirma que: “nos termos do art. 11, III, da Lei Complementar nº 73/93, não houve qualquer inovação no novo normativo editado. Sendo assim, a interpretação da Constituição, das leis, dos tratados e dos demais atos normativos é tarefa regular de qualquer Consultoria Jurídica vinculado a quaisquer Ministérios, não sendo um dever diferenciado o que foi previsto na norma propagada.”

A portaria normativa é assinada por Bruno Bianco, chefe da Advogacia-Geral da União, órgão subordinado à Presidência da República.

Nos últimos dias, Bolsonaro voltou a cogitar recorrer às Forças Armadas para uma ruptura institucional. A medida retornou ao radar após Valdemar da Costa Neto, presidente do PL, negar-se a contestar judicialmente a diplomação de Lula no TSE.

Imagem colorida mostra o presidente Jair Bolsonaro de frente para militares - Metrópoles
Bolsonaro em reunião com oficiais das Forças Armadas

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comPaulo Cappelli

Você quer ficar por dentro da coluna Paulo Cappelli e receber notificações em tempo real?