Marcas, ideias e pessoas que impactam no mundo da comunicação

Orgulho LGBT: Disney cria filtros nas redes e ações com influencers

A empresa global divulgou em entrevista coletiva iniciativas perenes de inclusão e diversidade, além do plano de comunicação de junho

atualizado 25/06/2021 16:43

Disney PrideReprodução

No mês do Orgulho, a Disney lançou um plano de comunicação customizado para celebrar e apoiar a diversidade. Além de uma programação especial nos canais de TV, novidades no streaming, na Radio Disney e playlist nas plataformas de áudio, a empresa divulgou a Coleção Rainbow com produtos das franquias Pixar, Star Wars e Marvel. Por meio desta iniciativa, a Disney doará recursos a diversas organizações em todo o mundo filiadas a rede sem fins lucrativos “It Gets Better”,  que busca apoiar, conectar e empoderar os jovens LGBTQIAP+. 

Segundo Luiza Queiroz, head de marketing de franquias Disney, a comunicação será feita majoritariamente por influenciadores digitais. Entre eles, Matheus Pasquarelli e Taciele Alcolea. Nas redes sociais, pelo instagram @ohmydisneybr, os usuários poderão acessar mais de cinco filtros comemorativos. Além disso, a empresa utilizará espaços em programas da ESPN, por exemplo, para fortalecer o discurso de diversidade da marca. Haverá ainda pílulas de conteúdo ao longo da programação do Star Channel, novo canal de streaming da Disney.

Em entrevista coletiva por Zoom, Rita Oliveira, head de diversidade e inclusão da Disney, Luiza Queiroz, head de marketing de dranquias Disney e Bruno Ferreira, coordenador da It Gets Better Brasil, contaram mais detalhes das ações da Disney. Segundo eles, as iniciativas da empresa não se restringem ao mês comemorativo de junho.
Rita explica que a pauta da diversidade e inclusão é bastante trabalhada na empresa por meio do Conselho de Diversidade da Disney, grupo multifuncional composto por 15 colaboradores voluntários que existe há seis anos. Além de apoiar iniciativas da companhia, eles dão suporte às campanhas de comunicação. “O envolvimento é 360”, conclui ela.

 

 

Últimas notícias
Mais lidas