Tudo o que rola no universo dos famosos e da televisão, sob o olhar atento de Leo Dias e equipe.

Repórter de Sikêra Jr. viraliza com memes: “Combato preconceito com close”

O jornalista de Rio Branco, no Acre, tornou-se um sucesso na internet com suas matérias divertidas e o bordão “É verdade!”

atualizado 27/07/2020 11:59

Marcos DioneReprodução

Não é qualquer pessoa que para uma entrevista e, tranquilamente, avisa: “Acabaram de assassinar uma pessoa aqui na minha cidade e eu preciso ir ao local fazer uma entrada ao vivo para o nosso telejornal. Quando eu retornar, eu continuo a responder, tá bom?”. Mas quem assiste ao Alerta Nacional, programa do apresentador Sikêra Júnior, já sabe que o repórter Marcos Dione não é nada convencional.

O jornalista de Rio Branco, no Acre, tornou-se um sucesso na internet com suas matérias divertidas e o bordão “É verdade!”. “A internet é uma loucura! No início, eu não imaginava que meus vídeos iriam chegar tão longe. Recebo mensagens de todo canto do mundo. Fico muito feliz com o reconhecimento. É muito gratificante pra mim e toda a nossa equipe”, comenta.

0

Nas ruas de sua cidade natal, Marcos também recebe o reconhecimento. “Eu moro em um bairro periférico de Rio Branco e, como não tenho transporte próprio, vou caminhando para a sede da TV, e no caminho as pessoas passam nos carros gritando, acenando e muita gente me para pra dizer que me segue, que gosta do meu trabalho. Não me sinto uma celebridade, mas é muito bom receber o carinho dos fãs”, diz.

Quem vê a desenvoltura de Marcos nem imagina que o repórter é envergonhado. “Apesar de não parecer, sou um pouquinho tímido”. Mas foi quando ele se soltou que o sucesso veio. “Fui fazer a matéria da prisão de uma traficante e meu cinegrafista deu a ideia de eu iniciar dizendo que era verdade, para encaixar com a chamada do apresentador no estúdio. Na hora de gravar, eu decidi dar uma viradinha e dizer ‘É verdade!’”, conta aos risos. Sem que ele percebesse, um policial filmou os bastidores da gravação da matéria, publicou nas redes sociais e o vídeo viralizou. “Como não sou bobo, já aderi ao novo bordão e, desde então, toda matéria que eu faço eu inicio de costas dizendo ‘É verdade’”, conta.

“Logo quando comecei na TV, fui alvo de comentários pejorativos dos colegas jornalistas de outras emissoras. Meu patrão recebeu inúmeras mensagens de pessoas dizendo que eu estava fazendo o Acre passar vergonha, que eu estava baixando o nível da televisão acriana. Fiquei sabendo que um rapaz que trabalha na afiliada da RecordTV tentou zoar meu chefe dizendo que ele tinha um ‘repórter viadinho’ e que por isso não tinha moral. Mas não me importo nem um pouco com essas coisas. Desde criança que combato o preconceito com close e mais close. Se não gostam, vão ter que me engolir. Nunca precisei me vitimizar por conta de homofobia. Enquanto eles me atacam, eu faço o meu trabalho, conquisto o público e faço meu nome.”

 

Ver essa foto no Instagram

 

Tá fácil a vida de repórter? @marcosdionetv

Uma publicação compartilhada por Leo Dias (@leodias) em

Fã de Marcelo Rezende, Boris Casoy e Sikêra Júnior, Marcos sonhava em aparecer na televisão desde criança e por isso escolheu o jornalismo como profissão. “Mas não foi fácil. Eu comecei como repórter de um site, depois fiz um quadro de fofoca em um programa de rádio e só depois de muita insistência que me deram uma oportunidade de ser repórter policial na TV”, conta.

No entanto, Marcos não tem contato com o ídolo Sikêra Júnior. Funcionário do jornal local Plantão de Polícia da ABC TV, afiliada da RedeTV no Acre, o repórter apenas envia suas matérias para serem transmitidas nos jornais da rede, como o Alerta Nacional e o RedeTV News. “Eu quero muito ser repórter da rede, mas não depende de mim”. E para realizar esse sonho, ele considera até mesmo deixar Rio Branco.

“Eu amo o meu estado, foi aqui que nasci, cresci e consegui realizar meu sonho de me tornar um jornalista conhecido. Mas, infelizmente, o Acre ainda é um estado pequeno e com poucas perspectivas. Faço parte de uma equipe de apenas sete pessoas numa emissora pequena. São inúmeras as dificuldades que a gente passa para pôr nosso jornal no ar todos os dias. Sou muito grato ao meu chefe e aos demais colegas, mas se eu receber convite de uma emissora maior eu irei sim. Todo mundo quer crescer e poder dar uma vida melhor para os pais, e esse é o meu objetivo”, conclui.

Últimas notícias