Os bastidores das notícias, e os principais personagens, que movimentam a política do Distrito Federal

Vacinação contra a Covid-19 começa às 10h desta terça no DF. Veja detalhes

Primeiros lotes da Coronavac chegaram à capital na tarde desta segunda (18/1). Profissionais da Saúde terão prioridade na imunização

atualizado 18/01/2021 21:15

Chegada da vacina contra Covid-19 no DFRafaela Felicciano/Metrópoles

A vacinação contra o novo coronavírus começa no Distrito Federal nesta terça-feira (19/1), às 10h. Os primeiros lotes da Coronavac, vacina feita em parceria entre o Instituto Butantan, de São Paulo, e a farmacêutica chinesa Sinovac, chegaram à capital nesta tarde. Atualmente, há 105.960 doses em solo brasiliense.

Uma coletiva de imprensa foi organizada pela Secretaria de Saúde para anunciar detalhes. O evento aguardava apenas a chegada do avião para ser iniciado – o que ocorreu às 14h50. Da Base Aérea, o imunizante foi levado para um depósito no Setor de Indústria e Abastecimento (SIA), onde seria verificada a temperatura do composto, que precisa ser acondicionado em freezers.

A princípio, a ideia era iniciar os procedimentos mais cedo, mas o avião que partiu de São Paulo atrasou. “Com essa mudança, teremos um número maior de unidades recebendo simultaneamente a vacina”, disse o secretário de Saúde, Osnei Okumoto.

Detalhes da vacinação

O primeiro grupo de contemplados será composto pelos profissionais que atuam na linha de frente do combate ao coronavírus: não apenas servidores da saúde, mas também funcionários da limpeza e vigilantes, além de médicos, enfermeiros, técnicos e grupamentos do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Além deles, nesse primeiro grupo há servidores da atenção básica, idosos com mais de 60 anos, acamados ou moradores de asilos. Nesta etapa inicial, está prevista a imunização de cerca de 51 mil pessoas.

Os profissionais que atuam na Saúde receberão a vacina nas unidades onde trabalham ou em unidades próximas. No caso de idosos que moram em locais de longa permanência, como asilos, a imunização ocorrerá nessas instituições.

Todas as pessoas que moram no Entorno, mas trabalham no Distrito Federal, serão atendidas pela rede pública local, enquanto as populações indígenas serão alcançadas pelas equipes volantes.

“O principal hospital é o Hran [Hospital Regional da Asa Norte]. Às 10h de terça, as primeiras doses começam a ser aplicadas. Serão médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem, assim como servidores terceirizados” disse Osnei Okumoto. Até o dia 30, o país receberá mais 4 milhões de doses da vacina, o que vai assegurar a segunda fase da campanha.

Veja a expectativa de etapas de vacinação:

1ª – Profissionais que estão na linha de frente de combate à Covid-19, como médicos, enfermeiros, técnicos, vigilantes, responsáveis pela limpeza de hospitais e unidades de saúde, integrantes do Samu e do Corpo de Bombeiros, idosos em asilo e indígenas, além de profissionais de hospitais militares e privados. Esse grupo receberá duas doses da vacina que chegou nesta segunda;

2ª – Na segunda fase, ainda sem data definida, as vacinas serão destinadas a idosos (expectativa que sejam aqueles com idade a partir de 75 anos);

3ª – Pacientes com comorbidades, professores e profissionais das forças de segurança e salvamento.

Segunda dose

De acordo com Alexandre Garcia, secretário interino adjunto de Assistência à Saúde, “aplicaremos a primeira dose no decorrer desta semana, fazendo com que o retorno desse mesmo público para a segunda dose ocorra daqui a 14 dias”. “A gente não sabe quando o segundo lote chegará, por isso, achamos mais seguro guardarmos a metade para a segunda dose da vacina. Acredito que, em até duas semanas, a primeira dosagem esteja terminada, para darmos início à segunda dose”, explicou Garcia.

“Isso é só o início de um processo que se esperou muito tempo para começar. As pessoas que estão em casa precisam saber que serão imunizadas e receberão a vacina, no tempo certo, caso não se encaixem em grupos prioritários. Infelizmente, não é o número de vacinas que sonhamos”, destacou Garcia, reforçando que a ideia é acelerar a imunização.

“Se Deus quiser, este ano vacinamos todo mundo do DF”, completou, referindo-se aos cerca de 3 milhões de habitantes do DF e outros 1,5 milhão do Entorno.

Como o número de doses recebida é pequena, a vacinação será iniciada nos hospitais públicos, “em 15 ou 16 unidades de referência, para que essas pessoas do grupo prioritário procurem pelo imunizante”, informou Divino Valero, subsecretário de Vigilância à Saúde.

“Infelizmente, não conseguiremos vacinar todo o público que gostaríamos de imediato. Isso é o início de um processo. Amanhã [terça] teremos 15 viaturas para fazer a distribuição das doses. Vamos aguardar a nova remessa para darmos continuidade ao processo de vacinação”, reforçou Valero.

0
Escolta

A Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal fazem, em comboio, a escolta do imunizante até o SIA, onde está localizada a central de frios da Secretaria de Saúde. A Polícia Militar, então, fará a escolta até os postos de vacinação.

O secretário de Segurança, Anderson Torres, lembrou que o plano de escolta da vacina tem sido trabalhado há 15 dias, e que a operação foi exitosa. Segundo ele, a escolta conta com apoio da Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal.

Pela manhã, a Polícia Militar do DF (PMDF) desencadeou a Operação Imunização. O objetivo geral da ação é manter a segurança no recebimento, na distribuição e na aplicação de vacinas durante a campanha contra a Covid-19 na capital.

As vacinas, adquiridas pelo Ministério da Saúde, serão mantidas no Núcleo Rede de Frio, no SIA, e em outro em processo de locação. As doses serão repassadas às regiões de saúde, que contam com cinco centros de referência de imunológicos especiais e 169 salas de vacina, no total.

A aeronave que transportou 105.960 doses da vacina contra a Covid-19 pousou no Aeroporto Internacional de Brasília às 14h50 desta segunda. A carga foi trazida por um avião Hércules C-130, da Força Aérea Brasileira (FAB). Do DF, o avião seguiria para Rio Branco, Manaus e Porto Velho.

Últimas notícias