Os bastidores das notícias, e os principais personagens, que movimentam a política do Distrito Federal

“Preocupante”, diz governador em exercício sobre casos de Covid no DF

Paco Britto terá reunião com secretarias de Saúde e Educação para avaliar cenários e definir estratégias para reduzir curva de infecções

atualizado 10/01/2022 20:02

Paco Britto, vice-governador do DFRaimundo Sampaio/Esp. Metrópoles

O governador em exercício Paco Britto (Avante) afirmou, nesta segunda-feira (10/1), que o aumento da taxa de transmissão de Covid-19 no Distrito Federal “está preocupante”.

O mais recente boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Saúde indicou que o índice registrou a quinta alta consecutiva e bateu a marca de 2,01. Na prática, significa que, caso continue nesse patamar, o número de casos vai dobrando a cada dia.

“Está realmente preocupante. Amanhã terei reunião com o secretário de Saúde e com a secretária de Educação para tratarmos de vacinação de jovens e crianças, quando também vamos analisar medidas a serem tomadas”, disse ao Metrópoles.

Segundo Paco, a equipe do governo está debruçada para avaliar os cenários impostos pela nova variante da Covid-19, a Ômicron, e recomenda cuidado para a população.

“Até que novas medidas sejam anunciadas, é importante que todos evitem locais com grande aglomeração de pessoas, permaneçam com o uso indispensável de máscaras, mesmo em locais abertos, e usem álcool em gel com frequência”, alertou.

0
Transmissão

A taxa de infeção da Covid-19 foi uma das mais altas já registradas em Brasília. O recorde aconteceu no início da pandemia, em março de 2020, quando ainda não havia distanciamento social. À época, o indicador chegou a 2,61.

Nos últimos dias, esse indicador aumentou dia após dia na capital: nessa terça-feira, a taxa estava em 1,12; na quarta, subiu para 1,27. Na quinta, ficou em 1,45 e, por fim, na sexta chegou a 1,66.

A Secretaria de Saúde do DF já informou em entrevista coletiva que espera uma “explosão” de novos casos de Covid-19 nos próximos dias.

No entanto, não aguarda aumento preocupante de pessoas internadas e de ocupação de leitos de UTI, a exemplo do ocorrido depois de março de 2021 na capital. Segundo o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero, isso acontece porque agora a população de Brasília está vacinada.

Mais lidas
Últimas notícias