Os bastidores das notícias, e os principais personagens, que movimentam a política do Distrito Federal

General volta a criticar Bolsonaro e aliados sobre 2022: “Cegos ideológicos”

Paulo Chagas está na reserva e foi apoiado pelo presidente ao GDF nas eleições de 2018: "Não tem cabimento a manutenção de uma escolha"

atualizado 26/07/2021 14:27

Reprodução / Facebook

O general Paulo Chagas, que integra a reserva do Exército, voltou a sinalizar publicamente que deve fugir da possível polarização entre Jair Bolsonaro (sem partido) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições presidenciais do ano que vem.

Pelo Facebook, em texto intitulado “O péssimo ou ruim”, o militar reformado também mandou um recado aos seguidores do atual ocupante do Palácio do Planalto com a possibilidade de uma terceira via.

“Ninguém sabe como vai terminar o processo político/eleitoral, extremista e polarizado, que se apresenta no horizonte de Pindorama, mas, se não formos acomodados, poderemos ter três opções, uma ruim, outra péssima e uma terceira, fruto dos ensinamentos que conseguimos tirar das experiências péssimas e ruins que tivemos nos últimos 15 anos”, iniciou.

De acordo com o general, o qual foi apoiado por Bolsonaro ao Governo do Distrito Federal (GDF), ainda em 2018, os povos, de um modo geral,” aprendem com seus erros, mas os brasileiros, por terem memória curta, aprendem pouco com os seus e costumam repeti-los quase que sistematicamente”.

“Não é lógico ficar inerte diante de uma realidade que pode e tem que mudar. Não tem cabimento a manutenção de uma escolha que, mesmo equipada com um ministério de alto nível, mostrou-se inapetente para fazer o que prometeu e incapaz de corrigir o que denunciou como errado. Pior ainda é trazer de volta à direção do País o que de pior por lá já passou”, continuou.

“Os que já enxergaram esta realidade devem empenhar-se ao máximo para abrir os olhos dos acomodados, dos teimosos, dos iludidos e, principalmente, dos cegos ideológicos para que seja rompido o ciclo vicioso entre o péssimo e o ruim. Brasil acima de tudo e de todos!”, finalizou.

Últimas notícias