Os bastidores das notícias, e os principais personagens, que movimentam a política do Distrito Federal

Delegado da PF diz que ministro da gestão Bolsonaro “defende bandido”

Ex-superintendente no Amazonas, Alexandre Saraiva fez a declaração quando respondia a uma provocação de um seguidor no Twitter

atualizado 07/07/2022 19:01

delegado Alexandre SaraivaDivulgação/TV Cultura

O delegado Alexandre Saraiva (foto em destaque), da Polícia Federal (PF), afirmou, nessa quarta-feira (6/7), que ministro da atual gestão do presidente Jair Bolsonaro (PL) atua em favor de criminosos.

Sem citar diretamente nomes, o investigador foi categórico ao responder a uma provocação de um usuário do Twitter.

“Por que você não vai trabalhar?”, questionou um internauta. “Porque neste governo, quando o policial trabalha, costuma aparecer ministro para defender bandidos. Em seguida, o policial é defenestrado. Só por isso. Entendeu ou preciso desenhar?”, respondeu.

Veja a publicação:

Delegado da PF acusa senador de ter ligação com grupos criminosos

Acusações

Não é a primeira vez que o delegado faz acusações contra políticos apoiadores do atual governo.

No mês passado, o ex-superintendente da Polícia Federal no Amazonas afirmou que as investigações sobre os assassinatos do jornalista inglês Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira  foram prejudicadas porque grupos criminosos têm influência sobre alguns políticos de diferentes esferas.

Entre os nomes citados pelo delegado está o do senador Zequinha Marinho (PL-PA).

“Esses criminosos têm boa parte dos políticos da Região Norte no bolso… São influenciados por esses grupos, com certeza absoluta. Vou dizer nomes: Zequinha Marinho (PL-PA), que estava junto do Ricardo Salles (ex-ministro do Meio Ambiente) no dia da Handroanthus”, continuou Alexandre, referenciando a operação da PF que investigou madeireiras ilegais no Pará e Amazonas.

Saraiva foi afastado do cargo pelo presidente Jair Bolsonaro após participar de outra operação que apontava o envolvimento de Ricardo Salles para tentar dificultar a investigação de crimes na Amazônia, inclusive na própria operação Handroanthus.

Mais lidas
Últimas notícias